Novas violações aos direitos dos cinco cubanos

Ricardo Alarcon, presidente da Assembleia Nacional de Cuba, denunciou o agravamento das condições em que se encontram os 5 cubanos presos nos EUA.

Depois de terem sido transferidos para celas solitárias, sem apresentação de justificação legal que fundamente a decisão, foi-lhes igualmente negada a possibilidade de consultar os respectivos advogados.

Na visita que Leonard Weinglass efectuou a António Guerrero não lhe foi permitido entregar documentos, tendo o advogado abandonado a prisão em protesto contra as condições impostas ao prisioneiro. À saída declarou que as condições eram piores do que as que experimentou Mumia Abu Jamal no corredor da morte.

Tais medidas surgem exactamente na altura em que se aproxima o fim do prazo – sete de Abril - para a apresentação dos recursos ao Tribunal de Atlanta.

Recentemente a procuradoria-geral do Estado da Florida decretou maiores restrições no acesso aos processos por parte dos advogados de defesa.


Televisão americana despede jornalista

Peter Arnett, jornalista da estação de televisão NBC, foi despedido no seguimento de uma entrevista, transmitida no domingo, que concedeu à congénere do Iraque, onde afirmou que «o primeiro plano de guerra(dos EUA) fracassou devido à resistência iraquiana», e que «manifestamente, os estrategos norte-americanos subestimaram a determinação das forças iraquianas».

Conhecido pela cobertura que fez para a CNN da primeira guerra do Golfo, em 1991, as declarações proferidas pelo jornalista foram entendidas pela cadeia norte-americana como «um erro», cuja consequência foi o despedimento imediato.

O britânico «Daily Mirror» anunciou terça-feira na primeira página que havia contratado Peter Arnett, com o título: «Despedido pela América por dizer a verdade...contratado pelo Daily Mirror para continuar a dizê-la».


Bascos rejeitam suspensão

Numa conferência de imprensa conjunta, quinta-feira, em São Sebastião, no País Basco, o partido independentista Batasuna e a plataforma para a autodeterminação AuB, rejeitaram a suspensão da actividade política do Batasuna decretada recentemente pelo Supremo Tribunal Espanhol.

As duas formações políticas afirmaram a disposição de «garantir em todos os escrutínios a presença de pleno direito de todas as opiniões políticas», bem como de «garantir o direito de associação, reunião e manifestação», numa clara resposta de recusa ao cumprimento da lei dos partidos, base a partir da qual o governo espanhol decretou o Batasuna ilegal, e lhe encerrou as sedes e a imprensa.

Nos últimos dias, o Tribunal Superior de Justiça da Comunidade Autónoma do País Basco processou Arnaldo Otegui, deputado e porta-voz do Batasuna, por alegadas declarações ofensivas contra o rei de Espanha.


Pneumonia Atípica não pára de crescer

O número das vítimas do surto de pneumonia atípica que atingiu recentemente diversos países da Ásia, e alguns da Europa do Norte e Canadá, não pára de crescer.

Na China já morreram mais de 50 pessoas, e duas mil encontram-se de quarentena, não tendo as autoridades sanitárias capacidade de resposta para o número de casos suspeitos.

Algumas escolas e outros organismos públicos decidiram encerrar as portas até que sejam garantidas condições mínimas de segurança e salubridade.

O vírus do qual não se conhece a génese, e para o qual ainda não existe cura, tem provocado o pânico nas populações devido à sua fácil propagação.

A única maneira de reduzir as probabilidades de contágio parece ser o uso de máscaras faciais e luvas, uma vez que este pode se pode transmitir pelo espirro, ou pelo contacto com materiais que tenham sido tocados por indivíduos infectados.


Dia Mundial do Teatro

Comemorou-se, na passada quinta-feira, o Dia Mundial do Teatro, marcado pelas muitas iniciativas evocativas da efeméride.

Para além das salas de espectáculos que, um pouco por todo o país, abriram gratuitamente as suas portas a quem pretendia assistir à peças em cena, várias foram também as iniciativas de reflexão e protesto pela actual situação em que se encontra o teatro em Portugal, sem esquecer, claro está o conflito no Iraque.

Em Lisboa, A Barraca evocou a guerra, enquanto no teatro D. Maria II se realizou uma conferência sob o tema: «A encenação de onde vem’ Para onde vai?»

Ainda na capital, o Teatro Mazim, e o Teatro Municipal S. Luiz festejaram a data, respectivamente, com um protesto no Largo Camões e um espectáculo intitulado «Ultimatum ao Teatro Português», criticando a falta de apoios e incentivos às companhias e aos projectos.


Resumo da Semana