Não é possível aplicar o código respeitando a democracia nas empresas
Governo deseja «matar» sindicatos
Código incompatível com a liberdade
O Governo quer afastar os sindicatos dos locais de trabalho, de forma a reduzir a resistência dos trabalhadores à aplicação do pacote laboral, denuncia a CGTP.
«O Código é profundamente injusto e violento para os trabalhadores e não é passível de ser aplicado com respeito pelos direitos e pela democracia nos locais de trabalho.» Foi desta forma que o secretário-geral da CGTP respondeu na passada segunda-feira – em conferência de imprensa da Comissão Executiva da central sindical – à apresentação pelo Governo de um conjunto de medidas que pretendem limitar a actividade sindical nas empresas. Estas medidas foram apresentadas no dia seguinte em sede de concertação social, na fase de regulamentação do pacote laboral.
O texto proposto pelo Governo contém, afirma Joaquim Dionísio, da Comissão Executiva, um conjunto de limitações significativas aos direitos dos dirigentes e activistas sindicais. Duas são particularmente graves, realça: as limitações ao uso do crédito de horas e de justificação de faltas para fins de actividade sindical. Nestes casos, a diferença entre as intenções do Governo e as leis actualmente em vigor são gritantes.
Na lei actual, destaca Joaquim Dionísio, os dirigentes e delegados sindicais dispõem de um crédito de horas mensal para exercer a sua actividade sindical, que pode ser exercido por todos aqueles que são eleitos em cada empresa, dentro do limite fixado consoante a sua dimensão. O que o Governo pretende é que, em caso de média ou grande empresa, passasse a ser limitado a dois o número de dirigentes sindicais aos quais é atribuído o crédito de horas e a capacidade de justificação de faltas.
Em última análise, em empresas com a dimensão, por exemplo, da PT, dos CTT, da EDP, ou dos hipermercados Continente – com vários milhares de trabalhadores espalhados pelo País – apenas dois dirigentes sindicais teriam essas atribuições. «O objectivo é fazer com que os sindicatos não tenham condições para desempenhar a sua actividade», afirma Joaquim Dionísio. Outro dos artigos do texto proposto pelo Governo pretende limitar a quinze os membros das direcções sindicais com possibilidade de usufruir do crédito de horas.
Segundo a proposta do Governo, no caso das pequenas empresas, o número de dirigentes sindicais com a capacidade de recurso ao crédito de horas e justificação de faltas é de um. Joaquim Dionísio acredita que o Governo utilizará este caso como justificação para as medidas apresentadas. Contudo, acredita, não é aí que esta se fará mais sentir, mas sim nas grandes.

Silenciar quem luta

«O Governo sonha com a existência de sindicatos distanciados da realidade, sem delegados e dirigentes que, no terreno, junto dos trabalhadores, possam exercer a actividade sindical», acusa o secretário-geral da CGTP. Tudo para que o Código do Trabalho seja implementado com o mínimo de resistência por parte dos trabalhadores, afirma. Os patrões e do Governo querem silenciar quem luta, denuncia Carvalho da Silva.
Desde o início que a CGTP considerou que entre os objectivos do pacote laboral estava a introdução de mecanismos que eliminem o surgimento ou o impacto das lutas colectivas dos trabalhadores. Tudo para que os restantes objectivos sejam cumpridos: a precarização e embaratecimento do trabalho e o aumento do poder patronal nas empresas.
A primeira versão do Código continha já propostas neste sentido, que foram depois afastadas para permitir o aval da UGT ao pacote laboral, no tristemente célebre «acordo tripartido». Agora, em fase de regulamentação, regressam. «Não nos surpreendeu», afirmou Joaquim Dionísio.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: