2004
Mais um ano de degradação das condições de vida
Apontado como o ano da recuperação económica 2004, para já, revela-se como o ano do agravamento das condições de vida e pela degradação dos rendimentos dos trabalhadores portugueses. Contrariamente ao que a direita pretende fazer passar, os actuais sacrifícios, de que Durão tanto fala, não são uma inevitabilidade, muito menos uma necessidade. Estes resultam da política desenvolvida pelos sucessivos governos, e muito especialmente da opção neo-liberal do actual executivo PSD/CDS-PP.

Em Seia, pão para todos os gostos
Viagem ao Museu do Pão
A vegetação frondosa da encosta sudoeste da Serra da Estrela serve de moldura a um edifício em granito, com três pisos, onde se exibem as mais antigas e artísticas tradições do pão português. Desde a Sala do Ciclo do Pão, ao Centro de Investigação Gastronómica, passando pelo pão político, social e religioso, tudo no Museu do Pão foi pensado para dar protagonismo à história do principal alimento dos povos.

O que governo defende e propõe às empresas
Substituição do direito à formação profissional dos trabalhadores por dinheiro
A baixa escolaridade e a baixa qualificação profissional da maioria da população empregada constitui um das causas do atraso do País, do baixo nível de vida da população, da baixa produtividade e competitividade das empresas portuguesas. Mas não se pense que esta situação apenas atinge os trabalhadores. Um estudo recente realizado por um centro de investigação (CIRUS) do ISEG, a pedido do Ministério da Segurança Social e do Trabalho, concluiu-se que os empresários que apareceram no período 1991/2000 tinham uma escolaridade média de apenas 7,7 anos.

Os dois Brown escoceses e o juiz Hutton salvaram Blair
Dois dias que assombraram a Grã-Bretanha
Os dias de terça-feira, 26, e quarta-feira, 27 de Janeiro, criaram um inabitual «suspense» em toda a Grã-Bretanha. No primeiro, o debate nos Comuns quanto à nova lei que permite o aumento das propinas dos estudantes universitários para 4500 euros anuais, anunciava-se como susceptível de produzir a derrota do governo Blair em consequência de uma enorme deserção de deputados trabalhistas adversários daquela medida. No segundo, a apresentação pública do relatório Hutton revelaria, assim se esperava, a descarada duplicidade do primeiro-ministro quando teve de defender-se de acusações graves relacionadas com a guerra do Iraque e com a morte do cientista Kelly.