Novo bloco de Ciências sem acessos
A Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa tem um novo bloco a funcionar desde o início do segundo semestre, o bloco C6. Apesar de estarem já a decorrer aulas, os cerca de 900 estudantes que o utilizam não têm nenhum tipo de instalações de apoio ao estudo (bibliotecas e salas de estudo), de refeição ou de convívio. A situação agrava-se porque não foram construídos acessos para o bloco.
«Parece estranho, mas é esta a realidade com que os estudantes da Faculdade de Ciências são confrontados todos os dias: passar por um caminho de pedra, erva e lama, poças de água e tudo o mais que seria natural encontrar no mato, mas não numa faculdade», relata a Associação de Estudantes.
Trata-se da única passagem entre o novo bloco e os restantes edifícios da faculdade. Esta situação já provocou quedas de estudantes e ocorreram vários assaltos com armas brancas neste percurso. O caminho é frequentado por estudantes até ao fim do horário diário de aulas, ou seja, até às 20h. A AE sublinha que se trata de «uma passagem bastante escura e perigosa», embora «obrigatória para quem se dirige às aulas».
Os representantes dos estudantes lembram que a Faculdade de Ciências fixou o valor máximo de propina (852 euros) e, «como se tal não bastasse, sofre de um problema crónico de falta de condições materiais».


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: