Breves
LISBOA
Estado deve intervir na Sorefame
O PCP reafirmou a sua solidariedade para com os trabalhadores da Sorefame, no passado dia 14, o mesmo em que a administração confirmou a concretização do despedimento colectivo. Em comunicado, o Executivo da Direcção da Organização Regional de Lisboa do PCP considera esta medida uma «nova escalada da administração na multinacional na sua tentativa de destruir a capacidade produtiva instalada em Portugal» e acusa o Governo de «paralisia submissa». Os comunistas exigem a imediata intervenção do Estado na empresa, utilizando os instrumentos de que dispõe. Esta é, consideram, a forma de defender o aparelho produtivo nacional, o emprego e a economia e independência do País. Para o PCP, a entrega às multinacionais dos sectores estratégicos da economia e dos serviços públicos essenciais – opção seguida por sucessivos governos – têm «negativas e pesadas consequências, cada vez mais sentidas pelos trabalhadores e pela população». «Urge a derrota desta política que vem sendo praticada há 28 anos, com as consequências económicas e sociais que se vêem», reafirma a DORL.

BAIÃO
Defender o SNS
A Comissão Concelhia de Baião do PCP considera positiva a tomada de posse do novo director do Centro de Saúde de Baião. A substituição, forçada por alterações legislativas recentes, justificava-se, pois o «anterior responsável vinha demonstrando uma crescente incapacidade para gerir com clareza o trabalho desta unidade de saúde». Os comunistas estão conscientes de que a simples mudança de pessoas não resolve nenhum dos problemas da saúde no concelho, mas esperam que o novo director cumpra o seu mandato «no escrupuloso respeito pelas regras inerentes ao SNS – Serviço Nacional de Saúde». Para isso, destacam, é necessário deslocar para os concelhos os meios humanos necessários e tornar operacionais os recursos existentes. Só assim será possível resolver a situação da saúde no concelho de Baião, que o PCP considera escandalosa. Os comunistas de Baião estão conscientes das tentativas de privatização do SNS aos privados e opõem-se a todas as medidas neste sentido. «Continuaremos na primeira linha da luta pela defesa dos legítimos interesses dos baionenses e pelo seu direito à saúde», assegura a Comissão Concelhia do PCP.

BRAGANÇA
Produção de azeite ameaçada
Os comunistas do distrito de Bragança estão preocupados com o futuro da produção de azeite na região. Para o PCP, o futuro da olivicultura transmontana está dependente da vontade dos responsáveis da União Europeia. Os comunistas temem que a proposta da Comissão Europeia seja aprovada, o que provocará a «queda vertiginosa» da produção de azeite de Trás-os-Montes. Os comunistas denunciam a proposta da Comissão, que desliga as ajudas da produção e não considera ajudas para os 30 mil novos hectares de olival aprovados pela UE em 1998, que não se incluem nos níveis «históricos» de produção, que servirão de base para a concessão de apoios. O PCP, reflectindo o sentir dos produtores locais, sempre se opôs a esta proposta, nomeadamente através das inúmeras intervenções da deputada comunista Ilda Figueiredo no Parlamento Europeu. A Direcção da Organização de Trás-os-Montes lembra que o azeite da região é um produto de tradição secular e de reconhecida qualidade mundial e que tem de ser defendido pelos governantes nacionais.

SINTRA
Revolução permitiu evolução
A Revolução portuguesa permitiu grandes conquistas para a população portuguesa, lembra a Comissão Concelhia de Sintra do PCP, recordando que este Governo, a exemplo do que fizeram os anteriores, tem vindo a destruir muitas delas. Considerando, numa clara alusão aos cartazes do Governo (que têm como lema «Abril é evolução»), o PCP recorda que esta evolução só foi possível porque houve no País uma Revolução. Para debater as conquistas do 25 de Abril – e também os ataques que há 28 anos contra elas lhes são desferidos – realizou-se no passado dia 16 um debate que contou com a presença de Manuela Bernardino, do Comité Central, e do vereador da Câmara Municipal de Sintra, Baptista Alves.

SINES
Defender METALSINES
A Comissão Concelhia de Sines do PCP teme que a METALSINES siga o mesmo caminho da Sorefame e de outras empresas referência da Indústria Metalomecânica Pesada nacional.
Não são apenas os postos de trabalho que estão em causa – e já seria muito, diz o PCP – mas também o desmantelamento sistemático de estruturas produtivas importantes que, em Portugal, se dedicam à concepção, fabrico e montagem de equipamento ferroviário.
Contudo, para a Concelhia do PCP, o fecho da METALSINES não é inevitável. A empresa pode e deve ser defendida pela luta dos trabalhadores e do povo português, que, com a sua votação nas próximas eleições europeias de 13 de Junho, poderá evitar que se percam ainda mais alavancas fundamentais para a defesa do desenvolvimento sustentado do País.

CASCAIS
«Monstro» dá lugar a monstro...
O espaço do Hotel Estoril Sol, após a sua demolição – proposta pela Presidente da Câmara por se tratar de um «monstro» que não se enquadrava na zona -, vai dar lugar a torres com apartamento de luxo!!!.
Entretanto, o fecho daquele Hotel deixou sem emprego 230 trabalhadores e teve repercussões graves no comércio da Vila, obrigando a encerrar várias lojas que deixaram de receber os milhares de pessoas que o Estoril Sol ali levava.
Também a transferência da capacidade hoteleira para o Estoril, com a recuperação do Hotel Miramar e a construção de um hotel no terraço do Casino suscitam aos comunistas algumas interrogações: Porquê a recuperação do Miramar só depois de demolido o Estoril Sol? Sendo o espaço do Casino Estoril património do Estado, quem constrói aí um hotel nestas condições? Porque não sentindo a Estoril Sol vocação para explorar o antigo hotel a sente agora para o novo Hotel no Casino? Qual a situação dos trabalhadores?

COINA
CDU presta contas
A Comissão de Freguesia de Coina do PCP procedeu, no dia 4 de Abril, a uma visita «Presta Contas da CDU» em Coina, através nomeadamente da distribuição de um documento.
Entretanto, a organização do PCP desta freguesia realizou um almoço comemorativo do 83.º aniversário do PCP, com a presença de mais de 70 militantes, entre os quais eleitos da CDU na Assembleia de Freguesia e, ainda, Luís Piçarra, membro da Direcção Regional de Setúbal do PCP e responsável pela Concelhia do Barreiro.


AVEIRO
Quando o autismo impera
O Grupo Parlamentar do PCP recebeu finalmente a resposta do Governo ao requerimento apresentado pela Deputada Odete Santos, sobre a «Extinção do actual Tribunal Tributário da 1ª Instância de Aveiro». A resposta, na opinião da Direcção da Organização de Aveiro do PCP, revela, contudo, uma atitude «autista» de quem «não é capaz de ouvir todos os que se vêm pronunciando sobre esta matéria no distrito, designadamente os agentes judiciais», apresentando argumentos «ridículos» se não fossem preocupantes.
Sendo certo que a maioria dos utentes do tribunal a criar são de Aveiro, serão pois eles os prejudicados, bem como os seus representantes legais, obrigados a constantes caminhadas para um distrito vizinho.