• Anabela Fino

Critérios, pois claro
Já toda a gente ouviu certamente falar de «critérios jornalísticos», mas para quem não saiba sempre se avança que, nos tempos que correm, é assim uma espécie de saco sem fundo onde cabe tudo e não entra nada.
A culpa não é do conceito, de resto muito respeitável, mas do mau uso que dele fazem os que, defendendo muito os princípios, praticam pouco.
Exemplos não faltam. Na última semana, por exemplo, a Índia - mais de mil milhões de habitantes - viveu um terramoto eleitoral que alterou radicalmente o panorama político do país e deitou por terra todos os prognósticos dos comentadores nacionais e internacionais.
Todos acreditavam no sucesso do Partido Janata, no poder, a começar pelo primeiro-ministro, Vajpayee, que aos 79 anos deitou contas à vida e decidiu antecipar as eleições em cinco meses. Para slogan da campanha escolheu a frase «Índia Brilhante», o que muito terá agradado à direita que representa e ao poder económico-financeiro que engordou à sombra das políticas neoliberais do governo.
Estavam todos descansados à espera da vitória quando o caso se deu: o voto dos indianos derrubou o governo de direita de forma tão esmagadora que, seis horas depois da abertura das urnas, Vajpayee apresentava a demissão.
A imprensa deu a notícia, obviamente, bem como a vitória do Partido do Congresso, o partido dos Gandhi agora liderado por Sonia Gandhi, a italiana que casou com o filho de Indira Gandhi e que foi, tal como ela, assassinado.
Até aqui nada de especial. O problema é que as notícias passaram como cão por vinha vindimada - ou como gato sobre brasas - sobre os resultados das restantes forças políticas, designadamente os da Frente de Esquerda, integrada - surpresa! - pelo Partido Comunista da Índia (Marxista) e pelo Partido Comunista da Índia. Não se trata de um pormenor. Sem o seu apoio não haverá governo e com ele a política terá de mudar. O poder financeiro percebeu e entrou em pânico, e um analista do banco americano JP Morgan teme mesmo o crescimento da «despesa com o desenvolvimento rural, assim como as preocupações fiscais», e prevê que as «privatizações devem diminuir».
Pouco preocupados com a situação da população camponesa (60% do total), paupérrima, ou com os 250 milhões de indianos abaixo do nível de pobreza, os analistas e comentadores optaram por ignorar que a Frente de Esquerda passou de 36 para 60 deputados; que em Bengala Ocidental, há 27 anos governado pelos comunistas, a Frente elegeu 35 dos 42 deputados; ou que em Kerala a esquerda elegeu 18 dos 20 deputados, só para citar alguns exemplos.
Longe de nós pensar que se trata de discriminação. São critérios.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: