Educadores de infância<br>contra desvalorização
Ao prolongar, mais uma vez, as actividades lectivas nos jardins de infância, o Ministério da Educação subverte e desvaloriza os direitos profissionais dos educadores, a função educativa deste grau de ensino e os períodos de avaliação. O protesto está contido na moção que cerca de 1500 educadores de infância aprovaram segunda-feira, em encontro nacional descentralizado, promovido pela Fenprof nas capitais de distrito do Continente.
Os docentes exigem que o ME assuma o princípio, que a lei consagra, de que a educação pré-escolar é uma primeira etapa da educação básica, aplicando-lhe o mesmo calendário escolar e assegurando a articulação e sequencialidade entre ciclos e o acompanhamento pedagógico das crianças na transição do jardim de infância para o ensino básico.
É considerada uma falsa questão, argumentar que o prolongamento do calendário do pré-escolar se destina a dar uma resposta social às famílias. Tal resposta social só depende do cumprimento, pelo Governo, da Lei-Quadro da Educação Pré-Escolar e do cumprimento de um protocolo assinado, em 1998, pelos ministérios da Educação e da Segurança Social e pela Associação Nacional de Municípios. Esse é o caminho para possibilitar às famílias a ocupação das crianças para além dos períodos lectivos, recordam os educadores de infância.

Não pagaram

O Ministério da Ciência e do Ensino Superior, «certamente cumprindo ordens do Ministério das Finanças, reduziu para algumas instituições a transferência de verbas destinadas ao pagamento do subsídio de férias», revelou a Fenprof dia 25 de Junho. Isto levou a que nas escolas superiores de Educação de Portalegre e de Lisboa o subsídio não tivesse sido pago com os vencimentos de Junho.
Os orçamentos das instituições já sofreram cortes substanciais, depois do Governo ter imposto o seu congelamento (o que significa redução real) até 2007. «Agora, até esses orçamentos de sobrevivência parecem ser postos em causa», comenta a Fenprof.
A federação alertou ainda que, devido aos sucessivos cortes orçamentais, mais de 20 instituições estariam em dificuldades para pagar os subsídios de férias.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: