Fogo consome Arrábida
Incêndios revelam falta de investimento
Para o PCP, os incêndios ocorridos na Serra da Arrábida revelam uma grande falta de investimento no combate aos fogos florestais. Lembrando que o ano de 2003 ficou marcado pela «pior tragédia de que há memória em fogos florestais», a Direcção da Organização Regional de Setúbal do PCP (DORS), considera que o Governo devia ter tomado medidas na sua prevenção e combate. Os fogos deste ano – que ainda lavravam à hora do fecho da nossa edição – são reveladores, entende a DORS, desta falta de investimento.
Os comunistas de Setúbal entendem que as centenas de hectares ardidos «são o resultado dos reduzidos e precários meios aéreos que têm sido utilizados no combate a este fogo». Entende a DORS que «não fora o esforço abnegado das cerca de duas centenas de bombeiros que têm estado envolvidos no combate a este incêndio assim como o acompanhamento de outras entidades, nomeadamente autarquias e forças de segurança, e a situação seria bem pior».
Manifestando a solidariedade com as populações atingidas, a DORS exigia do Governo, na segunda-feira, a intervenção de meios aéreos suficientes para combater o incêndio, de grandes dimensões. Os comunistas esperam que o incêndio no Parque Natural da Arrábida não ponha em causa a sua candidatura a Património Mundial.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: