Sequestro trágico na Rússia

Um grupo de terroristas, presumivelmente membros da Al Qaeda com elementos tchetchenos e inguches, segundo as autoridades russas, tomaram de assalto no passado dia 1 de Outubro uma escola secundária da cidade de Beslan, na Ossétia do Norte, região da Federação Russa, fazendo reféns cerca de 1200 pessoas, a maioria jovens alunos, alguns familiares destes que os acompanhavam no dia de abertura do ano lectivo e ainda professores e funcionários da escola. O sequestro durou 53 horas, sem que se conseguissem quaisquer avanços na negociação com os sequestradores, que nebulosamente exigiam a libertação de companheiros presos, até que, passadas as referidas 53 horas, se verificaram explosões no interior do edifício, a que se seguiu a tentativa de fuga por parte de alguns reféns, que começaram a ser alvejados pelos terroristas. Os militares russos entraram de imediato em acção, na tentativa desesperada de impedirem o massacre dos sequestrados, e o caos instalou-se: os terroristas dividiram-se em três grupos, resistiram selvaticamente ao assalto e fizeram explodir várias zonas do edifício. As consequências foram catastróficas: há pelo menos 360 mortos já confirmados, mas já se fala que ascenderão a 600 mortos, e também mais de 600 feridos. Quanto aos terroristas, as autoridades russas afirmam que foram abatidos cerca de 30 e que escaparam quatro, que continuam a ser intensamente procurados.


Morreu presidente do Tribunal Constitucional

O presidente do Tribunal Constitucional, Luís Nunes de Almeida, faleceu na passada segunda-feira em Saragoça, Espanha, vítima de ataque cardíaco. Luís Nunes de Almeida, de 58 anos, era a quarta figura na hierarquia do Estado e encontrava-se em viagem oficial com destino a Aix-en-Provence, em França, onde fazia anualmente conferências sobre Direito Constitucional.
Advogado e gestor de empresas privadas, antigo deputado do PS, Nunes de Almeida entrou no Tribunal Constitucional (TC) em 1983 e assumiu a vice-presidência seis anos depois. Em Abril de 2003 chegou à presidência do TC. Membro da loja maçónica Grande Oriente Lusitano, o falecido recebeu uma homenagem maçónica, presidida pelo grão-mestre António Arnaut, numa cerimónia privada realizada na Basílica da Estrela.


Oito clínicas e uma fraude

Uma rede de oito clínicas de medicina física e de reabilitação, detida pelo grupo JAD – Gestão de Unidades de Saúde, encerrou a actividade deixando cerca de 100 funcionários sem trabalho e com ordenados em atraso desde Junho. A explicação, avançada aos trabalhadores pela actual administração, presidida por João Aurélio Duarte, é o «bloqueamento das contas bancárias» do grupo por ordens do Tribunal de Instrução Criminal. Em causa está uma investigação da Polícia Judiciária que, segundo o Diário de Notícias, está a ser feita ao grupo constituído e gerido por João Aurélio Duarte até 2002, por suspeita de falsificação de documentos, desvio de capitais e burla agravada. João Aurélio Duarte «mudou-se», entretanto, para o Brasil, onde continua a fazer investimentos ligados ao sector da Saúde.


Afegãos intimidados

A intimidação e a manipulação dos afegãos que, a 9 de Outubro próximo, vão escolher pela primeira vez o seu presidente têm sido habituais e corriqueiros por todo o Afeganistão. Quem o afirma é um relatório conjunto das Nações Unidas – que organizam e monitorizam o processo eleitoral – e da Comissão Afegã dos Direitos Humanos.
A cinco semanas das eleições, os autores do relatório alertam para a possibilidade, muito concreta, de as próximas eleições «não serem livres para muitos afegãos», ao mesmo tempo que recomendam a realização de uma campanha de informação maciça sobre o escrutínio.


Schroeder em queda

Os sociais-democratas alemães do SPD, liderados pelo actual chanceler da Alemanha, Gerhard Schroeder, sofreram uma pesada derrota eleitoral nas eleições ocorridas no passado domingo no Sarre, o mais pequeno dos estados-federados: obtiveram 30,8% dos votos, o que corresponde a uma brutal queda de 14 pontos precentuais em relação aos resultados de 1999, num «Land» que tem sido tradicionalmente da chamada esquerda do SPD, pois durante mais de 15 anos foi dominado por Oskar Lafontaine, ex-presidente do SPD.
Em contrapartida, os neo-comunistas averbaram mais uma espectacular subida, neste estado que integrava a antiga RDA. Curiosamente – e até ao momento – não foram anunciados os valores exactos dessa subida eleitoral, pela generalidade dos órgãos de comunicação social...
Um dado, entretanto, não é escamoteado nas notícias sobre este descalabro do SPD: ele deve-se, obviamente, ao grande descontentamento do eleitorado com as ditas reformas da «Agenda 2010» onde os sociais-democratas do SPD, em coligação governamental com os Verdes, estão a atacar ou mesmo a tentar destruir direitos sociais fundamentais dos trabalhadores em matéria de trabalho, segurança social, saúde e ensino, invocando uma «racionalidade» que, na próspera Alemanha e em nome da «esquerda», procura concretizar as gulas desmedidas da direita.


Resumo da Semana