• Carlos Nabais

Até Amanhã, Camaradas
Cenas empolgantes
O anúncio da apresentação de cenas escolhidas da série televisiva «Até amanhã, camaradas», baseada no romance homónimo de Manuel Tiago, atraiu ao Avanteatro numeroso público desejoso de «espreitar» uma grande produção portuguesa que trata a heróica luta dos comunistas, ao lado dos trabalhadores e populações, contra a feroz exploração e repressão do regime fascista.
E quem viu o pequeno filme, com pouco mais de oito minutos, especialmente montado para a Festa, não ficou desiludido, pelo menos a julgar pela reacção da plateia que, emocionada, se levantou em aplausos no final da projecção.
O realismo das imagens das manifestações populares exigindo pão, dos plenários de trabalhadores concluídos na rua com gritos de greve ou dos planos revoltantes da brutal violência policial sobre homens e mulheres indefesos permitem antever uma série de grande qualidade e beleza cinematográficas, cujo rigor histórico se contraporá às tentativas de branqueamento do fascismo e de omissão do papel do PCP na direcção e organização da luta de massas.
Numa curta sessão de debate dirigida por José Casanova, membro da Comissão Política do PCP e director do nosso jornal, o realizador Joaquim Leitão afirmou que os criadores da série procuraram torná-la «o mais fiel possível ao espírito e, muitas vezes, à letra do livro, mas ao mesmo tempo capaz de apelar ao grande público»
A opção pelo formato em série de episódios, em vez de uma longa metragem, como explicou o produtor Tino Navarro, foi tomada desde início do projecto: «Sempre pensei que a série era o formato que mais de adequava, porque permitia incluir o maior número de personagens e cenas que, não sendo centrais na obra, têm grande importância».
Este aspecto, contudo, não reflecte qualquer concessão em termos de qualidade. Tal como um «verdadeiro» filme, a rodagem foi feita integralmente em película e o material filmado, quer pela quantidade, quer pela qualidade, já ultrapassa em muito a duração inicialmente prevista de seis horas. «É como se tivessemos feito um filme muito grande», disse o produtor.
Actualmente, o projecto está em fase de montagem e encontra-se concluído em 95 por cento, devendo estrear-se na SIC no próximo mês de Dezembro. Em resposta a uma pergunta lançada da assistência, não conformada com o pouco tempo disponível para o debate (a hora do comício aproximava-se), ficámos ainda a saber que não está afastada a possibilidade de uma montagem para ser exibida nas salas de cinema.
«Até Amanhã, Camaradas» poderá assim vir a ter uma dupla estreia que se aguarda com grandes e justificadas expectativas.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: