Breves
Falta de investimento
No dia 22 de Setembro, enquadrado na Semana Europeia da Mobilidade, assinalou-se o Dia Europeu sem Carros. Considerando de grande importância a realização desta iniciativa, «Os Verdes», em nota de imprensa, lamentaram, no entanto, que em Lisboa, onde existem dos mais altos índices de poluição atmosférica a nível europeu, esta iniciativa não se tenha realizado.
Os ecologistas queixaram-se ainda que não exista da parte do Governo «um real investimento» na promoção e utilização dos transportes colectivos. «Em vez disso, o Governo anunciou a indexação dos preços dos passes sociais aos preços dos combustíveis, prevendo-se já para o próximo mês, um novo aumento de encargos para os utentes», afirmam.

Atentado à população
Um grave problema social está a afectar a população do Sabugal. Os utentes do serviço de água sofreram, nos últimos tempos, aumentos exorbitantes, verdadeiros atentados aos direitos dos consumidores.
«A Câmara Municipal, de maioria PSD, ignora que estes brutais aumentos do preço da água, do saneamento e dos lixos, é tanto mais grave quanto confrontado com as crescentes dificuldades económicas das famílias, com a perda de poder de compra, especialmente das camadas mais idosas a viverem de baixas reformas ou de pensões de sobrevivência», denuncia a CDU, considerando que esta escalada de preços reflectida no preço da água não pode ser desligada da integração deste serviço nas Águas do Zêzere e Coa, concessão que a CDU contestou, votando contra na Assembleia Municipal.

Exigir medidas
Porque o Algarve foi mais uma vez atingido pelos fogos florestais, o PCP e os eleitos da CDU na Assembleia Municipal de Portimão apresentaram, na passada semana, uma moção a exigir que o Governo tome medidas práticas e imediatas de apoio à população e que aplique a Lei de Bases da Floresta.
Os eleitos entregaram ainda duas outras moções, uma contra o pagamento nas SCUT’S, nomeadamente na Via do Infante, e outra condenando «a atitude obscurantista do Governo PSD/CDS-PP, ao proibir a entrada do “barco do aborto” em portos nacionais».

Obras precisam-se
O presidente da Junta de Freguesia de Paialvo, Tomar, alertou, na passada semana, para o estado de degradação de uma ponte sobre a linha ferroviária do Norte, junto ao apeadeiro de Carrascal Longo, donde caíram vários blocos de cimento. «Já recolhemos pedaços com mais de dois quilos», revelou Custódio Ferreira, presidente da Junta de Freguesia de Paialvo, da CDU, que reclama obras de consolidação na ponte.

Deficientes discriminados
A Confederação Nacional dos Organismos de Deficientes condenou o adiamento do ensino de qualidade e inclusivo devido à «situação calamitosa que se verifica na abertura deste ano lectivo, conjugada com a não resolução dos problemas relacionados com as acessibilidades ao meio escolar».
«Dez anos após a declaração de Salamanca, as pessoas com deficiência em Portugal continuam a ser discriminadas», refere da confederação, defendendo que a «educação é a principal riqueza de um povo e que investir na educação é uma forma de criar riqueza», sublinha.

Irresponsabilidade autárquica
O Executivo da Câmara Municipal de Silves (PSD) vai aumentar, para a taxa máxima, o Imposto Municipal sobre Imóveis, medida que os eleitos da CDU consideram «inaceitável» e «errada».
«Consideramos que a excessiva e desigual carga fiscal que já recai sobre os portugueses, principalmente aqueles que trabalham por conta de outrém, e a recessiva conjuntura económica que afecta o comum dos cidadãos, os trabalhadores e a pequena e média massa empresarial, não se coaduna com a imposição de mais sacrifícios», afirmam, sublinhando que «não contém com os eleitos da CDU para este tipo de política local, de natureza liberal e insensível aos problemas sociais».

«É urgente o amor»
O Teatro Experimental do Porto (TEP) estreou, na passada semana, dia 23 de Setembro, no Auditório Municipal de Gaia, o 199.º espectáculo, «É urgente o amor», de Luís Francisco Rebello. Esta peça tem encenação de Norberto Barroca, cenografia e figurinos de Cristiana Costa e desenho de luz e sonoplastia de Eduardo Brandão, sendo interpretada pelos actores Susana Sá, na protagonista, Alice Vasconcelos, Aurora Gaia, José Dias, Olga Dias e Oliveira Alves. A peça estará em cena, no Auditório Municipal de Gaia, até 24 de Outubro, de quarta a sábado, às 21h45 e aos domingos às 16 horas.