Breves
Zona Euro abranda em 2005
A Comissão Europeia reviu, na terça-feira, 26, em alta a estimativa de crescimento económico da zona euro para este ano, mas prevê uma desaceleração em 2005, por causa do aumento do preço do petróleo.
Nas Previsões do Outono, Bruxelas estima que a zona euro cresça 2,1 por cento este ano, o que representa uma aceleração face aos 1,7 por cento estimados nas Previsões da Primavera. No entanto, o ritmo de expansão na segunda metade de 2004 é mais fraco do que o estimado», avisa a Comissão.
O abrandamento da economia europeia no segundo semestre deste ano e o aumento continuado do preço do petróleo nos mercados internacionais determinaram a diminuição das expectativas de crescimento no próximo ano, que deverá desacelerar para dois por cento, quando em Março se previa uma aceleração para 2,3 por cento.

BBC prepara despedimentos em massa
A estação pública britânica BBC prepara-se para despedir cerca de seis mil trabalhadores dos 298 mil trabalhadores com que conta actualmente, segundo noticiou na segunda-feira, o diário The Guardian.
Muitos assalariados serão transferidos de Londres para outras localidades do país, como Manchester, Birmingham, Glasgow, Belfast ou Bristol, enquanto a maior parte dos programas passará a ser produzida por empresas externas. A BBC registou um défice no ano passado de 373 milhões de euros, contra receitas, resultantes das taxas de TV, que rondaram 4 200 milhões de euros.

Gregos fecham porta à Turquia
Interrogados sobre se a Turquia deve entrar para a UE, 54 por cento dos gregos inquiridos respondeu «não», 42,6 por cento disse «sim», enquanto que 3,1 por cento não respondeu, de acordo com esta sondagem da empresa grega Rass, efectuada a 20 e 21 de Outubro, junto de 1.021 pessoas de todo o país.
Mais de sete em cada 10 gregos (76,3 por cento) dizem que se Ancara não parar de violar o espaço aéreo e marítimo grego no mar Egeu, Atenas não deverá apoiar a abertura de negociações entre a Turquia e a UE, um dos assuntos previstos para a cimeira europeia de 17 de Dezembro.

PCP contesta redução de línguas
A deputada Ilda Figueiredo manifestou a sua preocupação face à proposta recém apresentada pela Presidência holandesa de reduzir para seis o número de línguas de trabalho na Conferência dos Órgãos Especializados em Assuntos dos Parlamentos da União Europeia.
Na sessão de segunda-feira, 25, aproveitando o período de intervenções de um minuto, a deputada considerou que com «o pretexto» de reduzir custos, as línguas de trabalho no Parlamento Europeu estão postas em causa, designadamente o português que passaria a ser preterido a favor dos idiomas oficiais dos estados membros mais populosos.

Alta do petróleo exige apoios estatais
O aumento do preço do petróleo comporta enormes riscos para a economia mundial, em especial para os sectores dos transportes, pesca e agricultura, «os primeiros a sofrer os aumentos no gasóleo», considerou o deputado Sérgio Ribeiro no hemiciclo de Estrasburgo que debateu, na segunda-feira, 25, as consequências da subida desta fonte energética para a economia europeia.
Citando os cálculos do Fundo Monetário Internacional de que um aumento de oito dólares por barril provocará uma queda de 0,5 por cento no crescimento, o deputado do PCP defendeu a eliminação das «restrições comunitárias à ajuda pública directa aos sectores afectados e a adopção de medidas e apoios concretos para minimizar o impacte sócio-económico do aumento dos preços do petróleo».

Solidariedade com luta na GM
A deputada Ilda Figueiredo apresentou, na segunda-feira, no Parlamento Europeu uma declaração de apoio à luta dos trabalhadores das fábricas da GM contra a restruturação em curso que prevê o despedimento de 12 mil trabalhadores.
No texto, a deputada comunista refere uma recente moção aprovada pelos trabalhadores da Opel em Portugal, na qual consideram que «as medidas de consolidação da GM não podem continuar a prejudicar os trabalhadores que são quem tem cumprido as condições do chamado “Acordo Olympia” de 2001» e acusam a direcção da GM Europa de incompetência e «desconhecimento do mercado europeu de automóveis».