A UE reforça controlo da imigração e unifica direito de asilo
Imigração e Asilo
UE elimina veto
A cimeira de chefes de Estado e de governo da União Europeia adoptou um plano de acção para cinco anos em matéria de asilo e de imigração clandestina.
Os Vinte e Cinco decidiram adoptar o voto por maioria qualificada, em co-decisão com o Parlamento Europeu, nas questões relativas ao asilo e à imigração. No entanto, a pedido da Alemanha, a unanimidade manter-se-á no que respeita à imigração legal. Grã-Bretanha, Irlanda e Dinamarca continuarão a beneficiar de uma derrogação que os liberta dos regulamentos comunitários.
O plano aprovado na sexta-feira, 5, em Bruxelas, propõe novos avanços na criação «de uma espaço comum de liberdade, segurança e de justiça», que implica a integração das políticas de asilo, cooperação policial e cooperação judicial.
As novas orientações sobre o direito de asilo estão contidas num capítulo intitulado «reforçar a liberdade», no qual se pretende unificar os procedimentos e estatutos até 2010. Para já a ideia sugerida pela Grã Bretanha, em 2003, e mais tarde recuperada pela Alemanha e Itália, preconizando a criação centros de acolhimento aos requerentes de asilo fora das fronteiras da UE não foi aceite.
Todavia, o plano propõe que iniciado um estudo, em estreita colaboração com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os refugiados, para avaliar «o fundamento, a oportunidade e a viabilidade de um tratamento comum dos pedidos de asilo fora do território da UE». Neste sentido encoraja os países próximos das regiões de origem e de trânsito para que melhorem as suas capacidades de protecção aos refugiados.
No domínio da imigração, o programa recomenda a regulamentação da imigração legal que «desempenhará um papel importante no fortalecimento da economia do conhecimento na Europa», deixando claro que a fixação de quotas de trabalhadores extracomunitários continuará no âmbito da competência os Estados. Estes são incentivados a estabelecer parcerias e acordos com países terceiros para a readmissão e gestão de fluxos migratórios.
Os Estados-membros são igualmente convidados a reforçar a luta contra a imigração clandestina, garantido um melhor controlo das fronteiras exteriores, designadamente através da introdução de dados biométricos nos documentos de viagem, vistos, passaportes ou autorizações de permanência.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: