- Edição Nº1624  -  13-1-2005

Cuba normaliza relações com UE
Diálogo retomado
O governo cubano anunciou, na segunda-feira, dia 10, o restabelecimento de «contactos oficiais» com a representação da União Europeia (UE) em Havana e com todos os Estados-membros da UE sem excepção.

O ministro dos Negócios Estrangeiros cubano, Felipe Pérez Roque, precisou que o seu governo, que já tinha normalizado as relações com a maioria dos países europeus representados em Havana, tomou a decisão atendendo às solicitações «respeitosas» recebidas nas últimas semanas dos governos do Luxemburgo (presidência da UE), Espanha e Bélgica.
No passado dia 3, Cuba retomou contactos diplomáticos com um grupo de oito estados comunitários, a que se juntam agora a Holanda, Eslováquia, Polónia, República Checa e a delegação da Comissão Europeia em Havana.
«A partir deste momento, Cuba restabelece os contactos oficiais a nível de governo com todos os países da União Europeia» com representação na ilha, disse Pérez Roque numa declaração à imprensa.
A decisão foi tomada depois de o Comité da América Latina da União Europeia ter recomendado a suspensão das sanções políticas contra Cuba, adoptadas em Junho de 2003, que incluíam convites a dissidentes para festas nas embaixadas da UE em Havana.
«Esta rectificação abre caminho a que reavaliemos a nossa medida de resposta», disse o chefe da diplomacia cubana, aludindo à decisão do seu governo de «congelar» os contactos com as delegações da UE em sinal de repúdio pela política de Bruxelas.
Em Julho de 2004, o governo espanhol do socialista José Luís Rodríguez Zapatero impulsionou a revisão das sanções, orientação que foi seguida no Conselho para a América Latina (COLAT), formado pelos responsáveis dos Ministérios dos Negócios Estrangeiros da UE para a América Latina que, em 14 de Dezembro, recomendou a substituição das sanções por fórmulas que propiciem um «diálogo reforçado» com aquele país socialista.

Europa congratula-se

A presidência luxemburguesa da União Europeia saudou no mesmo dia a decisão do governo cubano, considerando-a «um passo na boa direcção».
«A presidência saúda a decisão de Cuba de normalizar as suas relações com todos os países da União Europeia, sem excepção, bem como com a representação da Comissão Europeia em Havana. Trata-se de um passo na boa direcção, que será sem dúvida objecto de consultas no seio da UE», declarou o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros luxemburguês, Eldar Subasic.
Também a Comissão Europeia expressou a sua satisfação perante a «decisão unilateral tomada pelas autoridades cubanas». Esta evolução «deverá permitir abrir novas perspectivas nas relações entre a UE e Cuba», declarou o presidente do executivo comunitário, Durão Barroso, em comunicado.
O comissário europeu com o pelouro da Ajuda Humanitária e Desenvolvimento, Louis Michel, «vai deslocar-se brevemente a Havana para discutir com as autoridades cubanas o estado das relações bilaterais», refere ainda a nota do executivo comunitário