CDU indignada com cartazes do PSD

Os eleitos do PCP na Câmara Municipal de Lisboa (CML) manifestaram-se, segunda-feira, indignados com os cartazes do PSD sobre a recuperação do Parque Mayer, aprovada em reunião de Câmara, acusando os sociais-democratas de aproveitamento eleitoral indevido por faltar a aprovação da Assembleia Municipal.
A CDU entende tratar-se de uma manobra de favorecimento de Pedro Santana Lopes e do PSD, apesar de ter havido um entendimento entre o Executivo municipal e o PS para viabilizar o projecto de reabilitação do Parque Mayer.
A maioria PSD-CDS/PP na Câmara de Lisboa chegou a acordo, dia 4, com os vereadores do PS sobre uma permuta de terrenos da Feira Popular e do Parque Mayer que vai, alegadamente, permitir a reabilitação daqueles espaços.
A troca de terrenos resulta de um compromisso com base na anterior proposta do presidente do município, Carmona Rodrigues, e as sugestões apresentadas pelos vereadores do PS, mas que não conquistou a aprovação do PCP. A CDU diz agora que a CML «ignora a validade do debate e da votação na Assembleia Municipal», que só vai acontecer depois das eleições de domingo.


Alentejanos admitem apresentar queixa na UE

A Associação de Municípios do Alto Alentejo para o Ambiente (AMAMB) admitiu, no início da semana, apresentar queixa em Bruxelas contra o Estado português, alegando «boicote» à candidatura apresentada ao Fundo de Coesão para o abastecimento público de água.
Numa conferência de imprensa realizada junto à Barragem dos Minutos, em Montemor-o-Novo, os autarcas dos cinco concelhos que integram a AMAMB responsabilizaram os governos do PS e do PSD/CDS-PP pelos «atrasos nos investimentos necessários para que o abastecimento de água não seja posto em causa».
«A apresentação de uma queixa contra o Estado português, nas instâncias da União Europeia, é uma questão a ponderar face aos prejuízos causados à população», admitiu o presidente da Câmara Municipal de Arraiolos, Jerónimo Lóios.
Além de Arraiolos, integram a associação os municípios de Montemor-o-Novo, Estremoz, Mora e Vendas Novas, todos liderados pela CDU, que criticam a não aprovação de uma candidatura apresentada ao Fundo de Coesão, em 2001, para o fornecimento de água em alta aos cinco concelhos, a partir de albufeiras da região.


Estado indemniza por justiça lenta

O Tribunal Administrativo de Lisboa deu, na passada semana, o primeiro passo no sentido de responsabilizar o Estado por prejuízos a terceiros decorrentes da lentidão da justiça, no caso de José Bairos Fernandes, antigo emigrante no Canadá, que esperou 18 anos até ver um tribunal português condenar a Caixa Económica Faialense por falência fraudulenta.
Um «quarto de vida», de acordo com o juízes do Tribunal Administrativo, que, entretanto, já deferiram uma providência cautelar do queixoso, obrigando o Estado a pagar de imediato uma renda mensal de 1200 euros.
O pedido provisório que, segundo o «Diário de Notícias», foi apreciado no final de Janeiro, levou os juízes a darem como provado que os 18 anos de espera por uma decisão judicial inibiram José Bairos Fernandes de encontrar outro meio de subsistência durante todo aquele tempo. A sentença final deverá ser anunciada no início de Março.
O caso remonta a 1986. O maior lesado foi Bairos Fernandes que entre 1984 e 1986 depositou um milhão de dólares canadianos e mais 11,142 dólares norte-americanos naquele banco. O emigrante tinha os recibos dos depósitos, mas o dinheiro não aparecia, pelo que o Bairos Fernandes ficou na miséria, tendo vivido da caridade alheia, dentro de uma carrinha.


Arranha-céus madrileno vai ser destruído

Um incêndio atingiu, sábado, o Edifício Windsor, um dos arranha-céus mais emblemáticos de Madrid, que se encontrava em obras há meses. As chamas começaram no piso 21 do edifício, localizado na área de Azca, conhecida zona de negócios madrilena.
Anteontem, o presidente da Câmara de Madrid anunciou a demolição do que resta do arranha-céus, indicando que estão a estudar um método que possa minimizar as consequências para a zona onde trabalham milhares de pessoas.
«Dado o estado do edifício, reduzido a parte do seu esqueleto, é irreversível a demolição», afirmou Alberto Ruiz-Gallardón, acrescentando que o gabinete de crise constituído para o efeito está a estudar o método a utilizar. Segundo o responsável, está já decidido que não serão utilizadas cargas explosivas.


Crime «ambiental» na Amazónia

Uma missionária norte-americana foi assassinada, sábado, com três tiros, na cidade de Anapu, Estado do Pará, na região amazónica do Brasil. Dorothy Stang, 74 anos, que vivia há mais de 20 anos no Pará, era conhecida pelas suas posições de defesa do ambiente e dos trabalhadores rurais sem-terra.
Na passada semana, a missionária teve uma reunião com o secretário de Direitos Humanos, Nilmário Miranda, e denunciou que várias pessoas da região estavam a receber ameaças de morte. A missionária norte-americana afirmou ainda que fazendeiros e madeireiros invadiram uma área daquele Estado brasileiro e desalojaram residentes de Anapu.


Resumo da Semana