Polícias baleados na Amadora

Dois agentes da PSP foram baleados na madrugada de sábado para domingo, na Amadora, quando tentavam identificar um indivíduo referenciado pelas autoridades.
De acordo com o relato de um terceiro polícia presente no local e as descrições de várias testemunhas, os guardas interceptaram o suspeito à saída de um bar no bairro de St.ª Filomena com o intuito de confirmar a sua identidade.
O cidadão luso-brasileiro respondeu quase de imediato abrindo fogo sobre os agentes, atingindo mortalmente António Abrantes e Paulo Alves, tendo em seguida fugido em viatura própria.
Entretanto, a PSP e a PJ conseguiram seguir a pista do suspeito e detiveram-no na povoação de Melides, no Litoral Alentejano.
Para além da detenção do indivíduo, as autoridades revelaram ter apreendido uma quantidade significativa de armamento cuja qualidade e variedade indicia a prática de venda ilegal de armas.
O Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa decretou a prisão preventiva do sujeito até ao cabal apuramento dos factos e possível dedução de acusação.
Em reacção ao sucedido, as estruturas representativas e associações sindicais de diversas forças da ordem exigiram melhores condições materiais e logísticas de trabalho para os polícias.


Almada homenageia Urbano

O escritor Urbano Tavares Rodrigues foi homenageado, sábado, pelo Movimento Associativo e Popular de Almada devido ao papel que desempenhou na dinamização e elevação cultural das populações daquele concelho.
Entre as diversas iniciativas realizadas, destacaram-se as visitas a colectividades centenárias do concelho como a Sociedade Cooperativa Piedense, a Sociedade Filarmónica União Artística Piedense e a Incrível Almadense, associações que, entre outras acções de reconhecimento, agraciaram o autor com a inscrição do seu nome nos respectivos livros de Honra e de Ouro.
A terminar, o Fórum Romeu Correia acolheu o acto oficial de homenagem do Movimento Associativo ao escritor com o descerramento de uma placa que assinala a íntima relação de Urbano Tavares Rodrigues com a cultura, o povo e a cidade de Almada.
Na sessão participaram Augusto Flor, em representação da Confederação das Colectividades, Manuel Gusmão, que apresentou a obra de Urbano, Henrique Santos, da Associação das Colectividades do Concelho, e António Matos, vereador da Câmara Municipal de Almada.


Desemprego não abranda

A taxa de desocupação forçada em Portugal continua, mês após mês, a superar os valores registados anteriormente.
Informações contidas no balanço mensal do Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) indicam que no passado mês de Fevereiro o desemprego aumentou 4,3 por cento em relação a igual período do ano passado, ou seja, havia mais 20 mil desempregados que em 2004.
Da comparação mensal sublinha-se igual crescimento do número de pessoas sem trabalho.
De Janeiro para Fevereiro a taxa de desemprego cresceu quase 1 por cento, mais quatro mil inscritos no IEFP.
Apesar do desemprego de curta duração ter aumentado meio ponto percentual, o homólogo de longa duração continua a contribuir decisivamente para a manutenção da elevada taxa. Face ao mesmo mês de 2004, o desemprego de longa duração aumentou mais de 10 por cento.


Solidários com Cuba

Em resposta à intenção norte-americana de apresentar uma moção contra Cuba nas próximas sessões da Comissão de Direitos Humanos (CDH) da ONU, que decorrem entre 14 de Março e 22 de Abril, em Genebra, um conjunto de intelectuais e personalidades de todo o mundo promovem um abaixo-assinado repudiando mais uma manobra dos EUA contra o povo cubano.
Entre os 1330 signatários que apelam à rejeição de mais uma tentativa de legitimação do bloqueio imposto contra ilha socialista, encontram-se José Saramago, Urbano Tavares Rodrigues, Miguel Urbano Rodrigues, António Modesto Navarro, Viriato Teles, Rui Pinhão, Isabel Maria Franco, José Morais e Castro e Teresa Áviles.
Igual apelo foi, entretanto, manifestado pela Associação de Amizade Portugal-Cuba (AAPC) que insiste para que a «CDH não actue como peão dos interesses dos EUA» e exige que «o governo português não apoie a resolução anti-cubana».


Todos diferentes, todos iguais

Ao assinalar a passagem do Dia Internacional pela Eliminação da Discriminação Racial, a Frente Anti-Racista (FAR) recordou que, nos últimos anos, Portugal passou a acolher milhares de imigrantes, mas os sucessivos governos apenas lhes têm oferecido «uma vida de baixos salários, de precarização e desregulamentação do mercado de trabalho, tornando-os vítimas de uma exploração desenfreada por parte dos empresários sem escrúpulos».
A FAR lembrou ainda o crescimento dos fenómenos racistas e xenófobos e da visão dos imigrantes como «produtos descartáveis». Como tal, apelou à alteração «substancial da legislação que regula as condições de entrada, permanência, saída e afastamento de estrangeiros do território português».


Resumo da Semana