Bolseiros de Ciências protestam
Os bolseiros de investigação e alunos de pós-graduação da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa estão descontentes com o novo regulamento de propinas dos programas de estudos pós-graduados, aprovado recentemente pelo Conselho Directivo. Este documento fixa novos montantes de propinas para os estudantes de pós-graduação, mestrado e doutoramento e revoga todas as isenções e reduções previstas no regulamento anterior.
Os bolseiros de doutoramento passam a ser obrigados a pagar as suas propinas, além dos «custos de formação» pagos à faculdade pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia (2750 euros por ano). Adicionalmente, são revogadas todas as reduções previstas para os alunos economicamente carenciados, definidas com base nos rendimentos.
«Os bolseiros de investigação e alunos de pós-graduação da FCUL são responsáveis por uma parte muito significativa da produção científica desta instituição e realizam um trabalho de inestimável valor de que a instituição e o País são beneficiários. Esta forma de fazer face ao sufoco financeiro que a instituição atravessa, obrigando os bolseiros a “pagar para trabalhar”, não pode deixar de suscitar o nosso mais vivo repúdio e indignação», afirmam os bolseiros, em comunicado.
Em protesto, os estudantes não participaram na iniciativa Dias Abertos, que decorreu na faculdade, na semana passada.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: