Setúbal homenageia democracia

A Câmara Municipal de Setúbal aprovou no dia 31 de Março, por unanimidade, em reunião pública extraordinária, a atribuição da Medalha de Honra da Cidade aos 21 deputados do Círculo Eleitoral de Setúbal que participaram na elaboração da Constituição Portuguesa aprovada em 1976.
As condecorações foram entregues no sábado, numa cerimónia em que esteve presente o Presidente da República, dia em que se assinalam os 29 anos sobre a Constituição.
A autarquia da CDU decidiu homenagear os deputados pela «elevada missão democrática e patriótica dos primeiros cidadãos eleitos pelo povo e construtores do documento fundamental que, desde então, rege os destinos de Portugal».
Os deputados condecorados são, pelo PCP, Américo Lázaro Leal, António Branco Marques dos Santos, António Dias Lourenço da Silva, Dália Maria Félix Ferreira, Fernando dos Santos Pais, Hermenegilda Rosa Camolas Pacheco Pereira, José Manuel Maia Nunes de Almeida e Leonel Ramos Ramirez.
Pelo PS, os homenageados são Afonso do Carmo (a título póstumo), Alberto Marques Antunes, António Pereira Rodrigues, Artur Cortez Pereira dos Santos, Artur Manuel Carraca da Costa Pina, Fernando José Capelo Mendes, Gilianes Santos Coelho, Manuel da Mata de Cáceres, Maria da Assunção Viegas Vitorino e Maria da Conceição Rocha dos Santos.
Os outros deputados a receber a Medalha de Honra da Cidade de Setúbal são, pelo Movimento Democrático Português/Comissão Democrática Eleitoral, Álvaro Ribeiro Monteiro, pelo Partido Popular Democrático, Eduardo Bastos Albarran e, como deputado independente, José Casimiro Crespo dos Santos Cobra.


Morreu João Paulo II

O Papa João Paulo II, responsável máximo da Igreja Católica e do Estado do Vaticano durante mais de um quarto de século, morreu, no sábado, com 84 anos. Em nota dirigida aos órgãos de comunicação, o PCP manifestou «pesar e respeito para com os católicos e todos os que o acompanham nesta hora de sentimento e de perda».
No mesmo dia, o Partido Ecologista «Os Verdes» declarou, igualmente, «profundo pesar» a todos os fieis da igreja católica pela morte do Papa João Paulo II, sublinhando que o momento é «de grande respeito e solidariedade para com o mundo católico».
Em comunicado, «Os Verdes» realçam o período de grande sofrimento por que o Papa passou e salientam a «notória fragilidade, mas também a vontade de vencer» que João Paulo II mostrou nas vezes em que apareceu em público, quando se encontrava doente.


«Solução de emergência» na APAV

A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa vai conceder um apoio financeiro de 250 mil euros à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima, que permitirá à instituição sobreviver até julho, numa altura que ameaçava fechar as portas.
«Este apoio surgiu após um primeiro contacto da APAV com a Santa Casa, que manifestou, por intermédio da provedora, interesse e preocupação com a situação financeira da associação», disse o secretário-geral da APAV, João Lázaro.
De acordo com João Lázaro, o apoio começou no mês de Março e prevê uma ajuda da Santa Casa de 50 mil euros por mês até Julho de 2005, «valor mínimo» para a associação continuar a trabalhar.
Em declarações à comunicação social, a 22 de Fevereiro, João Lázaro tinha anunciado que a APAV estava sem condições para sobreviver para além do mês de Março e que encerrava se não surgisse uma «solução de emergência».
Por isso mesmo, o secretário-geral da associação considerou a ajuda da Santa Casa um «balão de oxigénio» por um período que se prevê como necessário para a negociação e assinatura do protocolo de Colaboração como o XVII Governo Constitucional.
A APAV não recebe apoio do Estado desde Dezembro de 2002. A associação apoia cerca de 20 mil pessoas por ano, através dos 13 gabinetes espalhados pelo País.


«A Indústria e a Luta em Desenvolvimento»

Armando Sousa Teixeira lançou, sexta-feira, no Barreiro, o livro «A Industria e a Luta em Desenvolvimento». Das edições Avante!, este livro, a quarta parte da obra Barreiro - Uma História de Trabalho, Resistência e Luta, Armando Teixeira dá-nos a visão de anos passados, «organizando a exposição à volta de temas que todos os barreirenses devem reconhecer, mas só alguns ainda recordarão».
Nos dias 16 de Abril e 15 de Maio, respectivamente, o autor estará presente na Junta de Freguesia de Palhais e no Fórum José Manuel Figueiredo, Baixa da Banheira, para apresentar a sua obra.
Entretanto, Pedro Namora lançou, esta semana, o seu primeiro livro, «A Dor das Crianças não mente», uma crítica à forma como as alegadas vítimas foram tratadas no processo de pedofilia na instituição.
«Sempre que surgem as primeiras denúncias de abuso sexual de crianças, estas são imediatamente apelidadas de prostitutas, marginais e mentirosas. Mas a realidade é bem diferente: a dor das crianças abusadas sexualmente, não mente», escreve Pedro Namora na obra, que foi apresentada publicamente pela jornalista Felícia Cabrita. O livro conta com um prefácio da Provedora da Casa Pia, Catalina Pestana.


Resumo da Semana