«A CDU é uma força com um projecto de futuro»
Jerónimo de Sousa em Benavente
CDU promete e cumpre
Porque a CDU é a única força que valoriza e se identifica com a inovadora e singular matriz do poder autárquico nascido da Revolução de Abril, que enaltece e procura a participação de todos, foram apresentados, anteontem, os candidatos da CDU às freguesias, Câmara e Assembleia Municipal de Benavente. Na iniciativa, Jerónimo de Sousa acusou o PS e o PSD de perversão do Poder Local, com a aprovação, na generalidade, da lei eleitoral para as autarquias.
Saudando todos aqueles que estão no projecto democrático e unitário da CDU, Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCP, na apresentação dos cabeças de lista à Câmara, António José Ganhão, e Assembleia Municipal de Benavente, Carlos Alberto Pernes, frisou que a CDU é uma força com um projecto de futuro capaz de responder aos novos problemas e encontrar novas soluções.
«É uma força que promete e cumpre, como está bem patente na capacidade de realização dos eleitos da CDU no concelho de Benavente. Vamos, por isso, para estas eleições com a segurança de quem se pode apresentar como uma força que deu prova de uma valiosa e incomparável intervenção para o desenvolvimento do concelho de Benavente, que deu solução aos problemas básicos, lançou e concretizou as bases de planeamento e desenvolvimento sustentável», afirmou Jerónimo de Sousa.
Sobre o actual mandato autárquico, o secretário-geral do PCP destacou as importantes infra-estruturas edificadas, nos mais variados domínios no melhoramento da qualidade de vida das populações, nomeadamente nas áreas da cultura, desporto e lazer.
«Nestas áreas não podemos deixar de registar os importantes investimentos na recuperação do Cine-Teatro de Benavente, na construção do Centro Cultural de Samora Correia e aqueles que se dirigiram à remodelação e construção dos campos desportivos, alguns dos quais com a implantação de pisos sintéticos. Obras importantes neste mandato foram também a requalificação das zonas ribeirinhas de Benavente e Samora Correia», destacou, sublinhando que a CDU é «uma força que presta contas e que faz da participação popular e da proximidade às populações o eixo fundamental do seu estilo de exercício de poder assente numa política de verdade e transparência».

Golpe na democracia

Na sua intervenção, sempre aplaudida pelas largas dezenas de pessoas que ali compareceram, Jerónimo de Sousa denunciou ainda a recente aprovação, na generalidade, dos projectos-lei do PS e do PSD da lei eleitoral para as autarquias.
«Mais uma vez PS e PSD se apresentam juntos, dispostos a subverter mais uma conquista de Abril com claros propósitos de afirmarem o seu poder absoluto e a sua hegemonia e a mais sectária partidarização da gestão autárquica», afirmou, assegurando que estas propostas, a concretizarem-se, «constituiriam um golpe profundo na legitimação directa das populações, na democraticidade do Poder Local, nos mecanismos de fiscalização e controlo democrático do poder. Proposta que PS e PSD vêm justificar com os falsos argumentos dos bloqueios sistemáticos à gestão municipal e em nome da garantia da estabilidade e da governabilidade dos órgãos autárquicos, a que juntam agora também o cínico pretexto da necessidade de valorização das Assembleias Municipais».
O secretário-geral do PCP falou também da intenção do PS, com a estreita colaboração do PSD, de fazer convergir para o mesmo dia das eleições autárquicas o referendo sobre o novo Tratado conhecido como da Constituição Europeia.
«Trata-se de uma clara manobra que visa reduzir o acto referendário do novo Tratado Europeu a uma mera formalidade, com prejuízo não só para o debate, compreensão e avaliação sobre as diversas propostas e projectos autárquicos em disputa nas próximas eleições, mas também para o imprescindível aprofundamento do debate e conhecimento sobre o verdadeiro conteúdo e significado da proposta do novo Tratado, cuja aprovação teria um inegável impacto negativo em todos os domínios da nossa vida colectiva nacional», referiu.
Entretanto, porque a CDU tem um passado de realização nas autarquias e um projecto alternativo de esquerda, na defesa do interesse público e das populações, Jerónimo de Sousa terminou dizendo: «Vamos para estas eleições com a confiança e a convicção de que é possível avançar e crescer, afirmando a CDU como uma força indispensável e necessária para a defesa dos mais genuínos interesses das populações.»

Crescer de forma calculada

Agradecendo a presença do secretário-geral do PCP, António José Ganhão, cabeça de lista da CDU à Câmara Municipal, recordou que Benavente, nos dias de hoje, está em segundo lugar, no distrito de Santarém, no consumo de electricidade, em terceiro, em termos de Produto Interno Bruto, em quinquagésimo, no ranking nacional, em termos de índice de poder de compra e em trigésimo segundo em termos de atractividade relativa.
«Somos um concelho onde foi possível crescer de uma forma calculada, com uma média de 500 habitantes por ano», disse o comunista, sublinhando que Benavente, a par de outras autarquias, não quer ser «um dormitório da Grande Lisboa».
«É com estes princípios, é com estes valores, é com estes homens e mulheres, é com este entusiasmo permanente, que resulta da auscultação das populações e o contacto directo com as mesmas, que nós não nos devemos espantar por o António José Ganhão ir, depois de 25 anos, para esta batalha, com o mesmo entusiasmo e sentido de responsabilidade que partiu para a primeiro», afirmou o próprio.
António José Ganhão, 60 anos, professor do Ensino secundário, é militante do PCP. Vereador da Câmara Municipal de Benavente no mandato de 1976 a 1979, foi eleito, em 1979, presidente da Câmara Municipal de Benavente, tendo sido reeleito sucessivamente e sempre com maioria absoluta.
Foi fundador e vice-presidente da Associação de Municípios da Lezíria do Tejo, membro do Conselho Geral e vogal do Conselho Directivo da ANMP.
É, actualmente, vice-presidente do Conselho Directivo da ANMP e membro da Delegação Portuguesa no Congresso dos Poderes Locais e Regionais do Conselho da Europa.

«Faltava quase tudo»

Por seu lado, Carlos Alberto Salvador Pernes, cabeça de lista à Assembleia Municipal, recordou que, há 25 anos atrás, em Benavente, «faltava quase tudo».
«Era muito deficiente o saneamento básico e o abastecimento de água às populações urbanas e rurais, eram muito incipientes as infra-estruturas desportivas e culturais, eram poucos os espaços para o lazer, eram deficientes e escassas as estruturas para o ensino e para a saúde. Hoje, 25 anos depois, esta autarquia ombreia com todos os municípios que dispõe de mais e melhores estruturas para actividades desportivas, artísticas, culturais e lúdicas», disse, valorizando o projecto autárquico da CDU. Prometeu ainda, para os próximos quatro anos, em nome da CDU, «contribuir para o progresso e para o desenvolvimento integrado e sustentado» de Benavente.
Carlos Alberto Salvador Pernes, 52 anos, técnico oficial de contas e empresário, é militante do PCP, presidente da Mesa da Assembleia Geral da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Samora Correia, vice-presidente da Assembleia Geral do Grupo Desportivo de Samora Correia e membro da Assembleia Municipal de Benavente.

Empenho e honestidade

Foram ainda apresentados os primeiros candidatos da CDU às juntas de freguesia de Benavente, Maria Leonor Carapinha Rodrigues Parracho Domingos, da Barrosa, Joaquim Firmino Semedo, Samora Correia, Hélio Manuel Faria Justino, e Santo Estêvão, José Duarte Salgueiro.
«Os candidatos que a CDU aqui apresentou são apenas alguns dos principais rostos de uma equipa que dia a dia, com todo o empenho, de forma honesta, com lealdade e credibilidade, prossegue este projecto que visa a melhoria constante da qualidade de vida das nossas populações», afirmou Hélio Justino, actualmente vereador na Câmara Municipal de Benavente, agora candidato à Junta de Freguesia de Samora Correia.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: