Álvaro Cunhal - a escrita revolucionária
Ao longo da vida, o militante revolucionário e desde muito cedo quadro dirigente do Partido, aliou a teoria e a prática, deixando-nos uma vasta obra que é ao mesmo tempo reflexão e intervenção na vida política, conhecimento profundo da realidade e da História, definição de rumos que, tendo sempre em conta as circunstâncias históricas e as correlações de forças, não deixou nunca de perseguir um objectivo central: a conquista da liberdade e da democracia, da justiça social e da democratização da cultura, a construção em Portugal de uma sociedade socialista.
A própria tese apresentada em 1940, quando, como preso político, se apresentou ao exame do 5.º ano jurídico da Faculdade de Letras de Lisboa, revela as preocupações eminentemente sociais e políticas de Álvaro Cunhal. «O Aborto - causas e soluções», é um valioso trabalho que, ainda hoje, passados 65 anos, mantém infelizmente toda a sua actualidade e é um libelo acusatório contra a hipocrisia política e moral que lança milhares de mulheres portuguesas no flagelo do aborto clandestino, com os seus perigos para a saúde e para a própria vida, sujeitando-as a humilhações degradantes.
Mas é no plano estritamente político que a intervenção de Álvaro Cunhal teve efeitos determinantes, tanto a nível partidário - na reorganização do PCP no início dos anos 40 e na formação da própria «consciência partidária» e do pensamento próprio dos comunistas portugueses na sua actividade, na análise de cada momento histórico e na percepção das tarefas que levaram a cabo - como a nível do que o Partido foi capaz de realizar ao longo de décadas de resistência ao fascismo, nos momentos decisivos da Revolução Democrática e Nacional, no avanço e consolidação das suas principais conquistas, nas batalhas em sua defesa.
Pode dizer-se que será muito difícil - menos para aqueles que têm da história uma visão redutora, sectária e conservadora, mesmo quando aparece renovada em roupagens neoliberais - abordar os principais momentos da história portuguesa do século XX sem recorrer às análises a que Álvaro Cunhal procedeu, mesmo submetendo os seus relatórios, livros e discursos à apreciação colectiva dos seus camaradas. O trabalho colectivo, que sempre prezou, nunca pôde apagar a contribuição individual e fundamental que deu para a clarificação de questões políticas cruciais do mundo de hoje.
O dirigente comunista contribuiu decisivamente para a reorganização do Partido iniciada em 1941, na definição das tarefas do PCP não apenas junto dos trabalhadores mas também na criação e dinamização do Movimento de Unidade Nacional Anti-Fascista e mais tarde no Movimento de Unidade Democrática. Álvaro Cunhal, com o pseudónimo de Duarte, apresentará, no IV Congresso, realizado em 1946, um documento intitulado «O caminho para o derrubamento do fascismo», em que defende a única via possível: «Só resta uma saída ao Povo português», escreve; «o levantamento em massa contra o domínio fascista, a insurreição nacional.»
Preso pela Pide e condenado em 1950, Álvaro Cunhal faz no tribunal fascista o processo da política de traição nacional do governo salazarista. Não participará no V Congresso e só em 1960, junto com outros camaradas, sairá para a liberdade, na célebre Fuga de Peniche. Em Março do ano seguinte é eleito secretário-geral do PCP, numa reunião do Comité Central em que é corrigido o desvio de direita registado no trabalho de Direcção entre 1956 e 1959.
É com Rumo à Vitória, o seu mais célebre trabalho, moldado sobre o Relatório Político que apresenta ao VI Congresso realizado em 1965, que o Partido adquire um valioso projecto para a Revolução Democrática e Nacional, consubstanciado num Programa de oito pontos que a História viria a demonstrar necessário e concretizável. Ainda antes do 25 de Abril de 1974, um outro livro dava resposta ao fenómeno esquerdista, onde, a par da impaciência revolucionária pequeno-burguesa pululavam as provocações ao movimento operário e oposicionista. Tratou-se do livro O Radicalismo Pequeno-Burguês de Fachada Socialista, um valioso texto que mostrou as virtualidades da análise marxista-leninista antes, durante e após o período revolucionário que se aproximava.
Com A Revolução Portuguesa - o Passado e o Futuro, relatório apresentado ao VIII Congresso realizado em 1976 na FIL, os democratas e os revolucionários adquirem uma visão ampla de todo o processo em que intervieram e se preparavam para intervir, agora defendendo as conquistas de Abril. E a longa série de discursos - todos publicados pelo Avante! e reunidos numa colectânea de livros publicados ao longo dos anos pelas Edições Avante! - foram, durante as últimas décadas, o «ponto da situação política» para milhares de quadros e camaradas. Analisando os problemas de actualidade, definindo perspectivas e grandes tarefas a cumprir pelo Partido para intervir na batalha política, social, de organização e ideológica, os discursos são ainda hoje valiosos. Neles se aprende História. Mas também um método de análise e de crítica, um poderoso apelo à reflexão e à intervenção política.
Ainda como secretário-geral do Partido, Álvaro Cunhal escreve novo livro. Desta vez sobre o PCP. O Partido Com Paredes de Vidro é simultaneamente uma reflexão sobre a identidade e sobre a postura e a actividade dos comunistas portugueses e, ainda, um esforço de desmistificação, uma crítica aos que, desde sempre, procuraram e procuram dar dos comunistas uma ideia errada, toldada pelo reaccionarismo e pela propaganda anticomunista.
Outros dois títulos se juntam à verdadeira batalha das ideias que Álvaro Cunhal prossegue. Um deles é o ensaio Acção Revolucionária, Capitulação e Aventura, escrito já em 1967, e que, para o leitor de hoje, constituirá um valioso motivo de reflexão sobre uma época em que se acercava o tempo do derrubamento do fascismo e quando se manifestavam entre certa oposição as ilusões e as tendências para o compromisso com a ditadura. A Verdade e a Mentira na Revolução de Abril - a contra-revolução confessa-se revela, nas mentiras primeiras dos contra-revolucionários, vinte anos depois de Abril, as confissões do que essencialmente os movia, lançando luz sobre um período exaltante da nossa história recente.



 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: