«Os britânicos conduziam uma viatura civil carregada de explosivos»
Iraque
«Terrorismo» mostra rosto
Depois de uma semana pautada por violentos confrontos no Sul do Iraque, dois soldados britânicos foram detidos pela polícia, segunda-feira, quando conduziam uma viatura civil carregada de armas e explosivos.
Segundo informações divulgadas pela agência China News, os dois soldados britânicos detidos segunda-feira pela polícia da cidade Bassorá foram interceptados num posto de controle quando conduziam uma viatura civil carregada de armas e explosivos.
Os dois homens seguiam vestidos com roupas tradicionais iraquianas e perante a ordem de paragem dada pelas autoridades, responderam com tiros e uma tentativa de fuga que acabou frustrada.
Testemunhos recolhidos junto de fontes oficiais iraquianas afirmam que depois da detenção sucederam-se confrontos entre tropas britânicas e populares que, ao aperceberem-se da identidade dos «terroristas», não contiveram a revolta e incendiaram um carro blindado do exército inglês.

Lei do mais forte

Na sequência do incidente, os dois soldados foram imediatamente interrogados por um juiz e posteriormente transportados para um estabelecimento prisional da cidade de Bassorá.
Pouco satisfeito com o desvendar de uma suposta «missão secreta» - como agora quer fazer acreditar o governo de Tony Blair - o comando militar ordenou um assalto à prisão envolvendo pelo menos seis viaturas blindadas.
O cárcere ficou parcialmente destruído quando o exército ocupante derrubou os muros e resgatou os dois soldados britânicos, momento aproveitado igualmente por muitos dos presos iraquianos para escaparem das respectivas celas e camaratas.

Dividir para reinar

Ao contrário do que foi relatado por testemunhas oculares, autoridades e responsáveis governamentais de Bassorá e até um funcionário da embaixada britânica, a versão que Londres procura dar dos acontecimentos insiste que os dois soldados foram entregues a milicianos xiítas.
O ministro da Defesa, John Reid, abordou o tema deixando no ar a ameaça de um futuro apuramento das responsabilidades. Reid não se referia ao facto de dois soldados britânicos circularem pelo Iraque disfarçados de árabes e carregando explosivos numa viatura civil, antes, aponta baterias às autoridades iraquianas e ao desrespeito destas por uma disposição anteriormente acordada: a entrega incondicional dos soldados britânicos às mãos dos respectivos superiores militares.
Entretanto, um deputado xiíta alegadamente ligado à organização de Moqtad al-Sadr, declarou estar na posse de informações preciosas. Fatah al Sheij afirmou que os dois soldados se preparavam para atacar a multidão concentrada num santuário xiíta.
Os ataques e acções violentas do género, que se repetem desde o início da ocupação, têm sido apontadas como a causa fundamental da insegurança e do clima de confrontação entre comunidades religiosas no Iraque, justificação que os ocupantes usam para legitimar a sua permanência no território.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: