Enxurradas na Guatemala

Deslizamentos de terra provocados por chuvas intensas arrasam duas aldeias na Guatemala. Foi a 180 quilómetros da capital daquele país latino-americano que torrentes de lama e pedra levaram tudo à frente destruindo as aldeias de Panajab e Tzanchaj.
Cerca de 1400 pessoas foram dadas como desaparecidas em consequência desta violenta intempérie originada pela depressão tropical «Stan».
As enxurradas deslizaram da vertente do Vulcão S. Lucas, atingindo, de forma inclemente, as habitações das comunidades indígenas.


Gripe das Aves na Europa

Foram detectados no dia 7 de Outubro na Roménia os primeiros três casos de gripe das aves em patos selvagens. Foi no Delta do Danúbio, uma das maiores reservas ornitológicas da Europa. As autoridades entraram em estado de alerta e procederam ao abate de mais de duas centenas de aves de criação por suspeita de terem contraído a doença.
Também na Turquia, um dia depois, eram divulgados os primeiros casos da doença, considerada responsável pela morte de dois mil perus numa exploração do Noroeste do País. A confirmação foi dada pelo ministro da Agricultura da Turquia, que ordenou a destruição de todas as aves na aldeia onde os casos foram detectados, bem como a adopção de fortes medidas restritivas no acesso ao local.


Pescadores em luta

No dia em que se realizaram as eleições autárquicas, três elementos de associações de pesca de Sesimbra foram identificados e intimados pela GNR a abandonar o local de votação da vila. Os pescadores apelaram, durante a semana, à população que fosse votar com braçadeiras pretas no escrutínio, em sinal de protesto contra as restrições à pesca impostas pelo novo Plano de Ordenamento do Parque Natural da Arrábida.
Naquele dia, a distribuição de braçadeiras foi facilitada pelo facto de todas as assembleias de voto terem sido instaladas no Pavilhão de Sesimbra, mas a GNR acabou por ser chamada a intervir na sequência de uma queixa apresentada por um autarca à Comissão Nacional de Eleições.


O furacão que não foi

A tempestade tropical «Vince» passou por Portugal na manhã de anteontem, sobretudo no Algarve, e entrou em Espanha às 10h, deslocando-se para este/nordeste a uma velocidade de 39 quilómetros por hora. No Algarve registaram-se aguaceiros e ventos fortes, em especial na zona de Vila Real de Santo António, onde foram observados 13 milímetros de precipitação e rajadas de vento de 68 quilómetros por hora.
O «Vince» foi a vigésima tempestade tropical da temporada de furacões no Atlântico. Formou-se no domingo entre os Açores e as Ilhas Canárias e dirigiu-se para a Europa e não para a América, como é habitual. As autoridades meteorológicas apresentaram-no como um possível furacão, alertando a população para os perigos, mas o «Vince» acabou por se dissipar no mar.
Com esta tempestade tropical a actual temporada transformou-se na segunda de maior actividade no Atlântico desde que há registos, iniciados em 1851.


Portugal na fase final do Mundial

A selecção portuguesa de futebol carimbou no sábado sem o brilho esperado o «passaporte» para a fase final do Mundial da Alemanha 2006, ao vencer em Aveiro o Liechtenstein por escassos 2-1, em encontro do grupo 3 europeu de apuramento.
A formação do principado, que havia sido goleada por 8-0 nas duas anteriores visitadas a solo luso, chegou mesmo, com algum espanto, ao intervalo a vencer, graças a um golo de Benjamim Fischer (33 minutos), resultado que não servia a Portugal, necessitado de um ponto.
Na segunda parte, o açoriano Pauleta, que teve ocasiões suficiente para ultrapassar os 41 golos de Eusébio, apontou o seu 40.º e empatou, aos 49 minutos, tendo o tento da vitória pertencido a Nuno Gomes, que entrou aos 84 e marcou aos 86, em dia de «bodas de ouro».
Acabou assim por ser uma noite de mais sofrimento do que festa, por mérito do Liechtenstein, incontestavelmente mais forte do que há alguns anos, mas também por demérito da equipa lusa, que foi muito perdulária e cometeu várias e pouco habituais falhas defensivas.


Resumo da Semana