Uma grande satisfação com os resultados da CDU percorre as organizações do PCP
Resultados eleitorais
CDU com mais força
As organizações do PCP iniciaram e prosseguem uma análise mais profunda aos resultados eleitorais, definindo as linhas de trabalho para o futuro com base nas conclusões daí tiradas.
A Direcção da Organização Regional de Setúbal do PCP considera que a CDU obteve uma grande vitória obtida no distrito, conseguindo mais votos, mais presidências de Câmara, mais eleitos em Assembleias Municipais e mais presidências de Junta. Por outro lado, manteve os cinco concelhos onde já detinha a maioria e obteve novas maiorias nos municípios do Barreiro, Alcochete e Sesimbra. Resultados que, em sua opinião, contribuíram de forma decisiva para que a CDU se tornasse, desde 9 de Outubro, a principal força eleitoral na Área Metropolitana de Lisboa.
«O PS é o grande derrotado», obtendo a maioria apenas no concelho do Montijo. Mesmo assim perde votos e influência neste município, onde a CDU obtém a maioria na Junta de Freguesia de Sarilhos Grandes.
Mas estes resultados têm um valor político acrescido, diz o PCP, pois foram conseguidos num contexto em que os métodos de debate eleitoral, longe de proporcionarem uma «saudável luta de ideias e de projectos», constituíram, pelo contrário, «instrumentos destinados a manipular, condicionar e orientar as opções dos cidadãos».
Também e Comissão Concelhia de Setúbal considera muito positivos os resultados obtidos pela CDU no concelho, apesar de não terem sido alcançados os objectivos eleitorais que haviam sido definidos. A CDU continua, porém, a deter sete das oito presidências de juntas de freguesia e mantém-se como força maioritária na Assembleia Municipal e Câmara Municipal.

Braga

A Direcção da Organização Regional de Braga do PCP, por sua vez, lamenta a perda de um vereador no concelho de Braga mas considera que, no plano regional, a CDU saiu reforçada: subiu em termos absolutos o número de votos (Câmaras e Assembleias Municipais e de Freguesia); reforçou o número de mandatos nas Assembleias Municipais (com destaque para Cabeceiras de Basto, Esposende e Vizela) e venceu em sete Juntas de Freguesia, onde também reforçou posições. A nível de Câmaras, manteve o seu vereador em Guimarães e elegeu pela primeira vez um vereador em Fafe.
Também para a DORB estes resultados são tanto mais importantes quanto foram obtidos «num clima de profunda bipolarização» - por vezes «fabricada» - e de «inexplicáveis e incompreensíveis ataques à CDU e aos seus candidatos». Ou seja, os resultados eleitorais «confirmaram a CDU como uma grande força autárquica» no distrito de Braga.

Alenquer

Em Alenquer, a CDU aumentou em número de votos e em percentagem praticamente em todos os órgãos a que concorreu; manteve o vereador na Câmara Municipal; aumentou de quatro para cinco o número de membros da Assembleia Municipal; ganhou a Freguesia da Abrigada com maioria absoluta e aumentou de 25 para 26 os mandatos nas diversas Assembleias de Freguesia.
A Comissão Concelhia de Alenquer do PCP chama a atenção para a disparidade de meios à disposição das várias candidaturas – enquanto a CDU gastou por eleitor um valor aproximado de 0,25 euros as outras candidaturas gastaram uma verba 14 vezes mais alta – e afirma que só o entusiasmo e empenho dos seus activistas permitiram atenuar essa disparidade.
Por fim, o PCP manifestou a disponibilidade do seu vereador para assumir o cargo a tempo inteiro, pondo porém três condições: ter «independência de acção», ter responsabilidades na direcção dos pelouros atribuídos e, principalmente considerar que as condições em que vai exercer o cargo servem os munícipes de Alenquer.

Aveiro

Também a Direcção as Organização Regional de Aveiro considera que a CDU alcançou plenamente os seus objectivos, ao ver reforçada a sua posição nas Câmaras (mais 2100 votos), Assembleias Municipais (mais 1481 votos) e Assembleias de Freguesia (mais 1570 votos).
Considerando que estes resultados não iludem a perda de mandatos nas Assembleias de Oliveira do Bairro e Águeda – onde uma forte bipolarização prejudicou a CDU –, a DORAV sublinha, entretanto, alguns dados que ilustram o reforço da coligação.
Assim, a CDU passa de 11 para 13 eleitos em Assembleias Municipais, alargando a sua presença aos municípios de Anadia, Arouca e Oliveira de Azeméis (onde não se elegia há mais de duas décadas); retoma a presença na Assembleia Municipal de Santa Maria da Feira e aumenta um eleito na Assembleia Municipal da Mealhada.

Satisfação generalizada

Os resultados obtidos pela CDU nas eleições autárquicas de 9 de Outubro estão também a ser analisados a nível unitário.
No concelho da Moita, a CDU considera ter tido uma vitória expressiva, mantendo não apenas a maioria absoluta de mandatos na vereação municipal como uma assinalável subida de votos em número e em percentagem: 10751 (41,4%) em 2001; 13.887 (49,8%) em 2005. Manteve, ainda, não apenas as freguesias onde já detinha a maioria, como ganhou ao PS a freguesia da Moita. O PS passou de 32,5% para 26,2% (perdendo um vereador) e a coligação PSD/CDS passou dos 14% que obteve em 2001 (soma de votos do PSD com o CDS) para 9,1%.
Naturalmente satisfeita com o resultado alcançado, a CDU/Moita considera, entretanto, que ele implica uma «acrescida responsabilidade» para o próximo mandato e, nesse sentido, garante à população que os seus eleitos irão honrar compromissos e levar por diante «com renovada energia» o seu projecto «de um novo ciclo de desenvolvimento, bem-estar e progresso para o concelho».
A CDU de Santa Maria da Feira, por sua vez, regista com satisfação o significativo aumento de votação na generalidade das freguesias feirenses, que se traduziu pela recuperação do mandato na Assembleia Municipal e pela manutenção dos dois seus representantes na Assembleia de Freguesia de S. Paio de Oleiros (onde ficou a escassa dezena de votos do terceiro mandato).
Valorizando o facto de este resultado em Santa Maria da Feira ter sido obtido num contexto de grande disparidade de meios relativamente às outras forças políticas, a CDU afirma que os mesmos, apesar de «não espelharem cabalmente a justeza e o prestígio» das suas propostas e candidatos, «são bastante encorajadores» e conferem à coligação «responsabilidades que não defraudará».
Também a CDU da Ilha do Faial, reunida em plenário, considerou «extremamente importantes e positivos» os resultados obtidos, que provocaram uma «profunda alteração na vida concelhia». De facto, a eleição de dois vereadores e de quatro deputados municipais da CDU foi decisiva para acabar com a maioria absoluta na Câmara e na Assembleia Municipal e criar condições favoráveis à existência de «uma gestão dialogada e participada». É, contudo, «essencial» que a CDU assuma responsabilidades executivas na nova gestão, de forma a possibilitar «as mudanças resultantes da vontade expressa pelo eleitorado».
Por fim, o plenário concluiu que, «ao regressar à Câmara com dois vereadores, ao reforçar o seu grupo de deputados municipais, ao fazer-se representar em 5 Assembleias de Freguesia e ao participar em 3 Juntas de Freguesia, «a CDU confirma-se como uma força municipal indispensável para o progresso do Faial».


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: