CT lança alerta no BPI
«Os trabalhadores do Banco BPI têm razões de sobra para estarem preocupados e para estarem mobilizados para defender os seus direitos», avisou a CT, num comunicado que emitiu no mesmo dia em que a administração apresentou uma proposta de «novo modelo social», a implantar na banca.
Recorda a Comissão de Trabalhadores que recebeu da Comissão Executiva do Conselho de Administração do banco um documento, cerca das 9.30 horas de dia 13, quinta-feira. «Logo depois da reunião com a CT», o documento foi apresentado às direcções dos sindicatos do sector. Ao meio-dia, o presidente do banco, Fernando Ulrich, divulgou-o em conferência de imprensa.
A proposta do BPI contém «propostas de alterações ao ACTV [Acordo Colectivo de Trabalho (vertical) para o sector bancário] e à legislação do trabalho que modificariam radicalmente os termos da prestação de trabalho dos bancários e dariam total liberdade à instabilidade, à precariedade, à desregulamentação e à arbitrariedade», acusa a CT, depois de sintetizar o conteúdo do «novo modelo social».
Para todos os trabalhadores que entrem para os quadros do BPI depois de 1 de Janeiro próximo, a administração preconiza, como denuncia a CT:
- o fim de todas as progressões automáticas na carreira (promoções por antiguidade e por mérito, níveis mínimos, diuturnidades, prémios de antiguidade, etc.);
- a completa liberdade de despedimento individual;
- a integração no regime geral da Segurança Social, com perda das majorações e dos complementos previstos no ACTV;
- o fim dos SAMS e a integração no Serviço Nacional de Saúde.
Quanto ao facto de a proposta, segundo o presidente, ter resultado de uma reflexão no interior do banco, a CT afirma que nem os trabalhadores, nem a sua estrutura representativa foram convidados a participar, tratando-se, assim, de «uma reflexão incompleta e manca».
No comunicado, a CT recorda que, quando reclamou mais informações e meios para garantir a segurança das pensões de reforma, a administração respondeu que não havia razões para preocupação; mas agora, para justificar o «novo modelo social», a Comissão Executiva vem falar na necessidade de «eliminação dos riscos associados ao actual regime de pensões»...
A integração na Segurança Social seria aceitável, para a CT, «desde que salvaguardados os direitos consagrados no ACTV», concretamente, o complemento de reforma e a majoração nos salários do valor dos descontos. Foi o que sucedeu recentemente, refere a CT do BPI, no banco Millenium BCP.
Por fim, a estrutura representativa dos trabalhadores do Banco BPI nota que, «com o actual modelo social, os bancos apresentam lucros fabulosos e passeiam-se poderosos por cima de todas as crises», pelo que não compreende «esta gula neoliberal de querer recuperar valores do trabalho do século XIX».


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: