Entre 2000 e 2005, os portugueses perderam 5% de poder de compra
Denuncia o PCP
Aumentos agravam condições de vida
Com o início do novo ano, aumentam novamente os preços de bens e serviços essenciais. O PCP reagiu, em conferência de imprensa, considerando profundamente injustos estes aumentos.
Os novos aumentos de preços de bens e serviços essenciais são «inaceitáveis porque profundamente injustos», afirmou, terça-feira, em conferência de imprensa, Jorge Pires, da Comissão Política. Este agravamento dos preços, denunciou o dirigente comunista, apenas vem agravar as condições de vida da esmagadora maioria dos portugueses e acentuar a perda do poder de compra dos salários e o endividamento das famílias portuguesas, que já chegou aos 118 por cento. Jorge Pires realçou que há quem ganhe com isto: os grupos económicos, que vêem assim os seus lucros crescer.
Para o membro da Comissão Política do PCP, estes aumentos são a concretização de «velhas soluções pré-anunciadas quando da discussão do Programa de Estabilidade e Crescimento e confirmadas com a aprovação do orçamento de Estado para 2006». Estes documentos, realçou, deixaram claro que as opções políticas, económicas e sociais deste governo «não vão no sentido do combate à injusta distribuição da riqueza; às desigualdades; à pobreza e à exclusão social». Antes pelo contrário, denunciou, «são o fruto de uma opção ideológica, em que a pobreza e a exclusão social são apresentadas como uma fatalidade».
Jorge Pires lembrou que já no momento da discussão do orçamento, os comunistas avisaram que a «obsessão pelo défice», numa altura de grave crise económica, teria consequências nefastas. Nomeadamente, recordou, esta obsessão contribuiria sempre para prolongar a estagnação económica, mergulhar o País na recessão, aumentar ainda mais o desemprego e agravar as condições de vida dos portugueses, com a redução do poder de compra dos trabalhadores.

Aumentos sobre aumentos

«Estamos a falar de um conjunto de aumentos de bens essenciais e serviços públicos, como é o caso do pão – 10 por cento; da electricidade – 2,3 por cento; das portagens – 2,8 por cento; dos transportes – com um aumento médio de 2,3 por cento; das taxas moderadoras – que podem, nas urgências dos hospitais, ir até 9 por cento; dos medicamentos – com o fim da majoração nos genéricos e da comparticipação a 100 por cento para muitos doentes crónicos e muitos outros que se seguirão fruto do efeito “bola de neve”», afirmou o dirigente comunista. Estes aumentos, lembrou, dão-se sobre produtos e serviços que durante 2005 tinham sido alvo de outros aumentos. Foram o caso «dos preços dos transportes, que só nos últimos oito meses foram alterados quatro vezes subindo 10 por cento; do pão que sofreu um aumento de 10 por cento; da electricidade – 2,3 por cento; das propinas – 11,5 por cento; do gás – 8,3 por cento; da gasolina – 13 por cento; não esquecendo o aumento do IVA de 19 para 21 por cento».

Salários não crescem

Lembrando que Portugal é o país da UE a 15 com os mais baixos salário mínimo e médio e com as mais baixas reformas, o dirigente comunista considerou «no mínimo escandalosa e profundamente injusta, a decisão do Governo de impor um aumento salarial na Administração Pública de 1,5 por cento para 2006». Isto «quando se sabe que estes trabalhadores só de 2000 a 2005 perderam em termos médios cerca de 5 por cento do seu poder de compra».
Para Jorge Pires, e em resultado das políticas de moderação salarial seguidas em Portugal, a «percentagem do PIB que reverte para os trabalhadores sob a forma de remunerações atingiu apenas 40 por cento», enquanto a média na União Europeia a 25 rondou os 51 por cento. «Ao mesmo tempo que o Governo pede à esmagadora maioria dos portugueses mais sacrifícios, os grandes grupos económicos obtêm, na maioria dos casos os melhores resultados líquidos de sempre», denunciou.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: