Fórum social de Bamako
Um apelo internacionalista e humanista para um mundo solidário
Da África pouco se fala. É um continente quase esquecido, mesmo pela maioria daqueles que lutam contra a barbárie imperialista que ameaça a humanidade. Mas a África está presente nas grandes lutas do nosso tempo. Dois acontecimentos importantes vieram confirmar a participação crescente dos africanos no combate ao imperialismo e na recusa da globalização capitalista, o flagelo que um sistema de poder monstruoso tenta impor no desenvolvimento de uma estratégia de dominação planetária.

Trabalhadores dos portos derrotaram a directiva
Unidade pelos direitos<br> e pela segurança
No dia 17 de Janeiro, uma larga maioria dos deputados do Parlamento Europeu votou contra a proposta de directiva que, mais uma vez, pretendia entregar os serviços portuários à lógica da liberalização, que é como quem diz, deixar este sector estratégico entregue aos interesses das grandes companhias transnacionais de navegação. Compreende-se o interesse do capital neste negócio, quando a própria Comissão Europeia referia, no texto reprovado, que o transporte marítimo pode absorver grande parte do crescimento do tráfego de mercadorias, prevendo que em 2010 este atingirá um volume de mais 50 por cento do que o registado em 1998. Os trabalhadores portuários, da pilotagem e marítimos, que já em 2003 se haviam mobilizado contra a primeira versão da proposta da comissária Loyola del Palacio, responderam com greves e manifestações, contando com o firme apoio do PCP e dos seus deputados no PE. Mais uma vez, através do esclarecimento e da luta, foi possível defender os direitos dos trabalhadores e a segurança do transporte marítimo, ameaçados pelos princípios que mandam, a qualquer custo, reduzir custos e aumentar lucros.

CGTP-IN exige a reposição do apoio judiciário
Acesso à Justiça para todos
Confrontada com a impossibilidade de acesso dos trabalhadores aos tribunais – desde que o anterior Governo suprimiu os apoios judiciários e encareceu as custas -, a CGTP-IN efectuou, dia 27, na FIL, em Lisboa, um seminário no propósito de contribuir para alterar o sistema de acesso à Justiça.