Ford Motor Corp.:
reestruturar ou morrer

GM à beira da morte em Detroit
«Tudo o que for bom para a General Motors é bom para a América!» eis a expressão que se tornou célebre ao longo de toda a segunda metade do século XX definindo o poderio e a grandeza de uma companhia, a primeira em todo o mundo, que dominava a indústria automóvel, dava emprego a muitos milhares de operários, fascinava o mundo sempre que apresentava os últimos modelos das suas famosas marcas e se expandia através dos continentes resistindo a mil conflitos, superando as crises do mercado, dizendo ao mundo: «O que é bom para a América, é bom para a General Motors!». A frase foi primeiro pronunciada pelo antigo presidente da companhia, Charles Wilson, que passaria a secretário de Estado da Defesa na administração do presidente Eisenhower. Mas já não tem qualquer significado.

O que é, porque foi possível,
consequências, objectivos

A OPA da Sonae sobre a PT-Telecom
Cerca de 74,2% do capital da PT já se encontra em mãos de estrangeiros *. Para além disso, o grupo Estado, representado pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) e pelo Instituto de Participações Financeiras do Estado, possui apenas 7,02 % do capital da PT. Esta situação, resultante de um processo de privatização em que a defesa dos interesses de desenvolvimento do País e de uma empresa estratégica estiveram totalmente ausentes, ligada ainda ao facto da dispersão do capital por múltiplas entidades apenas interessadas em ganhar dinheiro, criou as condições que tornaram possível a OPA da Sonae contra a PT.

Trabalhadoras da limpeza unidas
Ilegalidades na <em>Iberlim</em>
A Iberlim, especializada nos serviços de limpeza, em regime de outsourcing, está a transferir compulsivamente trabalhadoras para outros locais, não paga direitos pecuniários, discrimina as folgas e ignora condições mínimas de higiene e segurança.