Assembleia de Idanha-a-Nova
Reforçar sempre mais!
Realizou-se, no dia 15 de Junho, na Junta de Freguesia de S. Miguel D'Acha, a IV Assembleia da Organização Concelhia de Idanha-a-Nova do PCP, que analisou a realidade social do concelho e definiu linhas de orientação para um trabalho de Partido mais interveniente e combativo, em defesa do progresso do concelho, dos trabalhadores e do povo.
Na Assembleia foram denunciadas as políticas nacionais, que «não têm revelado qualquer preocupação objectiva com os problemas da interioridade», bem como a gestão autárquica do PS e do PSD. «Marginalizado pelo poder central», o concelho continua sem vias rodoviárias fundamentais para a quebra do isolamento de algumas freguesias e para a rentabilização das suas potencialidades monumentais, arquitectónicas, paisagísticas, etnoculturais e ambientais.
Apesar de não ter eleitos nos órgãos municipais, a acção do Partido é reconhecida publicamente, designadamente nos órgãos autárquicos em que a CDU está representada e «faz ouvir a voz da razão e do bom senso», como no caso da transferência do abastecimento de água para as Águas do Centro, aprovada pelo PSD e PS, e que veio a revelar-se calamitosa em termos de orçamento camarário.
Assim, a Assembleia considera que os comunistas têm granjeado a simpatia da população do concelho, seja pela «honestidade e frontalidade das suas posições face aos problemas que afligem os trabalhadores e a população», seja pela «maneira coerente com que intervêm na vida do concelho».
Contudo, a organização tem condições para «dar um salto quantitativo e qualitativo», especialmente junto dos jovens, desde que se tomem algumas medidas de reforço do Partido e para o estabelecimento de contacto regular com os militantes, que a grande dispersão das freguesias dificulta. Para levar por diante estas decisões, a Assembleia elegeu uma nova Comissão Concelhia, composta por oito elementos.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: