Polícia viola lei e reprime trabalhadores
Do lado errado da luta
As forças de segurança, cumprindo orientações, colocam-se sucessivamente ao lado do patronato pressionando e reprimindo os trabalhadores em luta, em clara violação das leis e da Constituição. O Avante! conta três casos.

Ofensiva contra as liberdades
Exercer os direitos é defendê-los
As liberdades estão a ser ameaçadas. O processo movido a dois dirigentes do PCP por «manifestação ilegal», por ocasião da entrega de 120 mil assinaturas contra o aumento da idade da reforma, foi apenas um capítulo, particularmente grave e visível, das muitas tentativas em curso de limitar os mais elementares direitos e liberdades democráticas conquistadas com o 25 de Abril. Nesta edição, o Avante! dá a conhecer episódios e protagonistas de casos exemplares desta ofensiva contra a democracia. Casos que, sendo paradigmáticos, são apenas alguns. Publicamos também uma entrevista com Vasco Cardoso, da Comissão Política do PCP, que traça uma análise global da situação.

Arménio Carlos, dirigente da CGTP-IN
Lutar não é crime
Nos últimos três anos e meio, em Lisboa, cerca de 20 dirigentes sindicais foram notificados pelas autoridades devido à sua responsabilidade na realização de concentrações de trabalhadores. Arménio Carlos, coordenador da União de Sindicatos de Lisboa, da CGTP-IN, e «responsável» pelas acções de protesto da central sindical em Lisboa, é um deles.

Belmiro Magalhães, dirigente do PCP no Porto
Calar a discordância
O regulamento municipal sobre informação política, recentemente aprovado pela maioria de direita na Assembleia Municipal do Porto, tem como objectivo «calar todas as forças sociais que se opõem à política de direita», denunciou ao Avante! Belmiro Magalhães, membro da Direcção da Organização Regional do Porto do PCP.