Utentes criticam redução de comboios

Mais uma vez, a pretexto da mudança de horários, a CP reduziu o número de comboios na Linha de Sintra.
Esta medida, que se traduziu na redução de 70 comboios durante a semana e mais 36 ao fim de semana, «insere-se numa lógica de gestão que reduziu tudo a uma visão meramente economicista, ignorando os interesses dos utentes e a necessidade de se incentivar a utilização do transporte pública», denuncia, em nota de imprensa, a Comissão de Utentes da Linha de Sintra e o Sindicato Nacional dos Trabalhadores Ferroviários.
Para os utentes e sindicato, «este é o corolário de uma política que vem sendo seguida no caminho-de-ferro, com vista a criar dificuldades às empresas públicas em favor dos interesses privados e que ao mesmo tempo que aumenta o tarifário reduz a oferta, com a consequente redução do volume de emprego e aumento dos ritmos e cargas de trabalho».
Neste sentido, entendem que é necessário retomar a oferta anterior, «de modo a servir melhor os utentes». Estas organizações reivindicam ainda o alargamento do âmbito do passe social, nomeadamente que o mesmo abranja a Estação de Meleças.


Deficientes discriminados

As viaturas importadas com isenção de imposto automóvel pertencentes a deficientes portugueses que regressem de um país terceiro e cidadãos que transfiram residência de outro Estado da União Europeia vão passar a ter matrículas diferenciadas.
O presidente da Associação Portuguesa de Deficientes (APD) considerou, segunda-feira, que esta decisão governamental estigmatiza essas pessoas, sem trazer vantagens.
«Esta é apenas uma forma de estigmatizar as pessoas com deficiência», disse Humberto Santos, criticando o facto de a medida ter sido tomada «sem a participação das organizações representativas das pessoas com deficiência».
Segundo o presidente da APD, esta medida evidencia o que a associação tem denunciado, ou seja, «que o Governo tem vindo a legislar de costas voltadas para as pessoas»


Loures está mais pobre

Os Serviços Municipalizados de Loures decidiram encerrar, no primeiro dia de Agosto, o Posto de Atendimento dos SMAS em São João da Talha.
Entretanto, contestando esta medida, os vereadores da CDU apresentaram uma proposta no sentido de a Câmara deliberar suspender esta decisão, até que sejam encontradas alternativas de prestação local dos serviços, sem prejuízo para a população das freguesias abrangidas.
Esta decisão tem merecido, de igual forma, o desacordo da Junta de Freguesia local, tendo esta, inclusivamente, apresentado propostas alternativas que não tiveram acolhimento do Executivo PS.
«Os SMAS e a Câmara Municipal de Loures, desrespeitando as regras da prestação de um serviço publico de qualidade, não assegurou alternativas aos serviços ali prestados, fazendo crer que este posto apenas serviria para o pagamento de facturas, obrigando os munícipes a deslocarem-se a Moscavide ou a Loures, para tratar de um simples pedido de contador e/ou esclarecer qualquer dúvida nas suas facturas», acusam os eleitos da CDU.


Bombeiros de Beja vivem situação «angustiante»

O presidente da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Beja (AHBVB), Rodeia Machado, denunciou, na passada semana, a situação financeira «angustiante» vivida pela corporação que, sem os apoios do município, «já teria fechado as portas».
«Sem o subsídio da Câmara Municipal de Beja, os bombeiros já teriam fechado as portas», alertou Rodeia Machado, reclamando um financiamento «mais justo» por parte do Estado.
Em declarações Lusa, o mesmo responsável, que é também o vice-presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, explicou que a corporação de Beja «depende quase exclusivamente» do subsídio mensal da autarquia, no valor de 14500 euros.
Além deste subsídio, continuou, o município também «financia integralmente» o corpo permanente de cinco bombeiros que compõem o grupo de primeira intervenção da corporação.
«Sem este acréscimo, os bombeiros de Beja não teriam este grupo de primeira intervenção e não poderiam responder, ao minuto, a qualquer situação de emergência que aconteça na cidade ou freguesias rurais», realçou.


Ouro e prata nos europeus de canoagem

O K2 sub-23 David Fernandes/Filipe Duarte conquistou, domingo, a medalha de prata nos 500 metros dos europeus da Grécia, elevando para dois o número de pódios de Portugal, após o ouro de Emanuel Silva nos mil metros.
David Fernandes (CN Funchal) e Filipe Duarte (CN Prado) só foram batidos pela dupla húngara (0,954 segundos), que apenas competiu nos 500 metros.
Sábado, Emanuel Silva renovou o título em K1 mil metros nos europeus que reúnem 35 países e cerca de 750 atletas.


Resumo da Semana