• João Dias Coelho
    Membro da Comissão Política do CC do PCP

<em>Festa do Avante!</em> vem aí!
Dentro de cerca de 15 dias, voltam a abrir, pela 30ª vez, as portas daquela que é a mais bela realização política e cultural de massas realizada no Portugal de Abril – a Festa do Avante!.
A realização, durante 30 anos, de uma iniciativa com a dimensão política e cultural como a da Festa do Avante!, sendo um caso único e ímpar em Portugal, não pode naturalmente ser dissociado do Partido que somos, dos homens, mulheres e jovens que o compõem e da sua generosidade. Nem das nossas raízes de classe, do nosso projecto transformador, do nosso amor à cultura e à arte, do nosso apego à liberdade e à democracia, da nossa determinação colectiva de construir um futuro livre da exploração do homem pelo homem.
30 anos passados, a Festa do Avante! continua a afirmar-se de forma criativa e inovadora como um grande espaço de juventude, solidariedade, amizade, fraternidade, onde os valores humanistas e de liberdade – intrínsecos à democracia política, económica, social e cultural que defendemos no nosso projecto de Democracia Avançada no Limiar do Século XXI – se expressam de forma viva e exaltante. Quer na forma afectuosa como recebemos e acolhemos os milhares de visitantes; quer nas relações que entre todos se estabelecem, independentemente da sua condição social, opção política, religiosa ou nível etário, quer, ainda, na organização do espaço e na decoração, nas exposições, debates, espectáculos, etc.
Isto acontece porque esta festa, com passado mas sobretudo com futuro, foi idealizada pelo Partido da democracia, da liberdade e do socialismo – o PCP. Porque foi e é concebida e construída por homens e mulheres livres, que querem e lutam todos os dias por melhores condições de vida e de trabalho para os trabalhadores e o povo e que, apesar de todas as dificuldades e obstáculos, encaram o futuro com a confiança que as portas que Abril abriu para um Portugal desenvolvido, livre e soberano, com mais justiça social... que se há-de cumprir!
É com esta confiança que milhares de jovens e menos jovens, homens e mulheres, operários, intelectuais, empregados e de tantas outras profissões preparam e constroem esta grande e bela obra colectiva que é a Festa do Avante!. São militantes do Partido e da JCP, simpatizantes, amigos da festa. São do norte ou do sul do País, da Madeira, dos Açores, da Emigração.

O País e o Mundo estão lá

Enfim, uma obra colectiva com os olhos postos no futuro, que na sua 30.ª edição comemora os 85 anos do Partido, os 75 anos do jornal Avante!, o centenário do nascimento de Fernando Lopes Graça; relembra a obra e vida de José Dias Coelho o artista, o comunista funcionário do Partido assassinado pela PIDE em 1961; evoca o centenário do nascimento de Rómulo de Carvalho (António Gedeão); coloca num dos primeiros planos a comemoração dos 30 anos da Constituição de Abril; trata e debate durante três dias os problemas do país e do mundo, da fome, da guerra e da luta dos povos contra o imperialismo, da ciência e das tecnologias da informação. Leva, ainda, aos diversos palcos dezenas de espectáculos, sendo que, mais uma vez, faz do desporto uma festa com a participação de milhares de atletas.
É também com os olhos no futuro da luta e a certeza da derrota da política de direita que o Governo PS desenvolve em prejuízo de quem trabalha e a favor do grande capital que, no domingo, igualmente se realiza um grande comício, para o qual são convocados todos os que, olhando em frente, vislumbram e confiam na possibilidade de um Portugal melhor.
De novo com a sua inteligência, a sua emoção, o seu conhecimento e saber feito de experiência, a sua vontade férrea de fazer e construir sempre melhor para o nosso povo, os comunistas e amigos do PCP vão fazer da 30ª Festa do Avante!, como aliás todos os anos se costuma dizer, a melhor e a mais bonita de todas as festas.
Ou, parafraseando o que um dia Ary escreveu: «Cantaremos nesta festa a força dum país, que pode ser a Pátria da verdade, onde a palavra mais alta que se diz é a linda palavra liberdade». Uma festa intensamente vivida durante três dias
Agora, que faltam poucos dias para a festa, é necessário concentrar grande parte das nossas energias na sua divulgação, contactando mais e mais camaradas e amigos, distribuindo a propaganda, vendendo da EP – esse importante titulo de solidariedade com a festa –, mobilizando o Partido para as tarefas de funcionamento, entre outras.
Sabemos que os inimigos desta grande realização política e cultural do PCP – que o povo tomou como sua – vai continuar a ser alvo de brutais ataques visando dos seus inimigos, na tentativa de impedir que ela se realize, mas sabemos também que Abril vencerá.
Façamos, pois, desta imensa vontade colectiva, da imensa presença de força humana na nossa festa, mais um momento confiante no combate por uma política de esquerda!


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: