Contra novas taxas moderadoras

O Movimento dos Utentes da Saúde (MUS) considerou «inaceitável» a possível criação de novas taxas moderadoras, referida pelo ministro da Saúde, anteontem. Em entrevista à Lusa, Correia de Campos admitiu a introdução de taxas em serviços como o internamento e a cirurgia de ambulatório.
Para João Cardoso, membro da direcção do MUS, «a saúde não é um negócio» e a criação de novas taxas moderadores «só vai prejudicar ainda mais a vida dos utentes, que já têm de pagar a taxa moderadora no acesso ao Serviço Nacional de Saúde e aos bens complementares». O dirigente do MUS referiu ainda que a criação de novas taxas «não vai moderar a procura nem resolver os problemas do Serviço Nacional de Saúde, nem valorizar o acto médico».
«Quando recorrem a um serviço de saúde, as pessoas fazem-no por necessidade, não por um capricho», afirmou por seu lado Carlos Braga, do Movimento dos Utentes dos Serviços Públicos, lembrando que a revisão da Constituição transformou o que era uma garantia de serviço de saúde gratuito para «tendencialmente gratuito», mas o que se tem verificado é que, «ao contrário, os serviços de saúde são hoje tendencialmente pagos».


80 por cento chumba no exame de Matemática

Mais de 80 por cento dos alunos do 12.º ano chumbaram no exame nacional de Matemática sobre o programa antigo, revelou o Ministério da Educação. As reprovações no exame relativo ao programa novo atingiram os 70 por cento.
Mais de metade dos estudantes chumbaram em 21 dos 58 exames realizados na primeira fase, com taxas de reprovação nas provas que ultrapassam os 70 por cento em várias disciplinas.
O exame relativo ao programa antigo registou uma média de 5,9 valores, o que representou uma taxa de reprovação à disciplina de 40 por cento. A prova referente ao programa novo teve 7,3 valores de média, com uma taxa de reprovação de 29 por cento na cadeira.
Desde 2005, nenhum aluno pode concorrer às universidades com menos de 9,5 valores nos exames que servem de provas de ingresso. A nota dos exames nacionais do secundário vale 30 por cento para a classificação final das disciplinas e oscila entre os 35 e os 50 por cento na candidatura ao ensino superior.


7300 vítimas de minas anti-pessoal

Mais de 7300 mil pessoas foram vítimas de minas anti-pessoal em 2005, revelou a 7.ª Conferência dos 151 Estados signatários da Convenção de Otava. Mais de 80 por cento das novas vítimas eram civis, 24 por cento morreram e 21 por cento eram crianças. A Colômbia foi o país onde houve mais feridos.
Estes número são acompanhados pela notícia de que, no ano passado, se registou um recorde da área desminada, com 740 quilómetros quadrados, bem como um decréscimo da doação de fundos para prosseguir o trabalho. Uma boa notícia é o facto de a Guatemala e o Suriname terem concluído a limpeza de todas as áreas minadas nos seus países.
«O uso de minas no mundo é cada vez menor, apesar de ainda se poderem encontrar em pelo menos 78 países», revela o relatório, acrescentando que pelo menos os governos da Rússia, do Nepal e da Birmânia utilizaram este tipo de armas em 2005. O documento refere ainda que os Estados Unidos estão a trabalhar num novo tipo, denominado «Spider».
O objectivo da Convenção de Otava é a proibição de utilização, armazenagem, produção e transferência de minas anti-pessoal e sua destruição, a que aderiram este ano o Brunei, as Ilhas Cook, o Haiti e a Ucrânia. O tratado não foi assinado pelos EUA, Rússia e China.


Descobertas 52 novas espécies

Uma equipa internacional de cientistas descobriu 52 novas espécies marinhas junto às costas da Papua Ocidental, na Indonésia. A notícia foi divulgada na segunda-feira. Entre as espécies agora classificadas encontra-se um tubarão de recife, vários camarões, corais e anémonas.
Jatna Supriatna, director-geral da organização de protecção da natureza Conservation Internacional Indonésia, considera «a biodiversidade dessas águas muito mais rica do que, por exemplo, a da Grande Barreira de Coral da Austrália», insistindo na importância da Papua para a protecção da biodiversidade mundial. Pelo menos 23 peixes de recife e 42 espécies de corais só se encontram naquelas águas.
Em Fevereiro de 2006, uma expedição do grupo ecológico Conservation International ao interior da selva da Papua anunciou a descoberta de um mundo perdido onde a fauna e a flora prosperavam longe da presença humana.


Portugal é o terceiro em automóveis

Portugal é o terceiro país da União Europeia com mais automóveis por habitante, divulgou o Eurostat, anteontem. Em 2004, Portugal tinha 572 automóveis por mil habitantes, sendo a média dos 25 de 472 carros por mil habitantes. À frente fica apenas o Luxemburgo (com 659 carros por mil habitantes) e a Itália (com 581). Entre 1990 e 2004, o número de automóveis aumentou 135 por cento em Portugal. A média europeia foi de 38 por cento.
Entre 1991 e 2004, o número de acidentes mortais em Portugal desceu de 323 para 124 por mil habitantes, enquanto a média dos 25 foi de 95 acidentes mortais por mil habitantes.


Resumo da Semana