• Margarida Botelho

Empobrecer a trabalhar
Na semana passada, a Comissão Europeia divulgou um estudo em que afirma que 20% dos portugueses vivem abaixo do limiar da pobreza - considerando que este se situa em 60% do rendimento médio nacional, incluindo prestações sociais. A este dado, já conhecido, soma-se outro, igualmente preocupante: 14% dos trabalhadores por conta de outrém no activo estão abaixo deste limiar, a maior percentagem, de longe, da União Europeia dos 27.
Os habituais porta-vozes do capital, sempre tão rápidos a comentar as últimas de Bruxelas, emudeceram perante este dado. De facto, para quem propagandeia as virtudes da precariedade, da flexigurança e dos altos custos da mão-de-obra portuguesa, é difícil encaixar 14% de trabalhadores pobres no cenário idílico.
Mas para quem tem vindo a denunciar estas políticas, não há infelizmente nada que surpreenda neste estudo: baixos salários, aumentos bem abaixo da inflação, progressões nas carreiras congeladas há anos, trabalho ilegal, recibos verdes, estágios falsos que se prolongam, 828 mil trabalhadores com contrato a termo, 570 mil com empregos a tempo parcial e salários mais parciais ainda.
Se a isto juntarmos as restantes parcelas da equação, a situação fica mais clara ainda: aumentos dos impostos, directos e indirectos, dos preços do pão, da electricidade, da água, dos empréstimos para a habitação - cuja prestação subiu mais 12% no último ano - e das rendas de casa. Nos últimos 5 anos, as despesas das famílias com a educação subiram 38%, com a saúde 20,1%, o preço dos combustíveis aumentou 47%.
O resultado está aí, claríssimo nos números da insuspeita Comissão Europeia: os trabalhadores portugueses estão a empobrecer.
Perante isto, o Governo português insiste no caminho de sempre: apertar o cinto a quem já o tem bem apertado. Mais aumentos, despedimentos, encerramentos de serviços públicos, com promessas de despedimentos mais céleres e o caminho mais facilitado às empresas de trabalho temporário. Sem uma palavra sobre os escandalosos lucros de empresas e bancos.
Mas a verdade é que cada vez mais portugueses se apercebem desta insanável contradição. E, apercebendo-se, transformam em protesto e luta esse descontentamento. Que o digam os trabalhadores do Arsenal do Alfeite, dos TST, da Lisnave, cujas lutas o Avante noticiou na semana passada. Como o vão dizer amanhã os milhares de trabalhadores que exigirão nas ruas de Lisboa uma mudança de políticas. Porque assim não pode ser!


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: