Alkatiri contra presença militar

Mari Alkatiri revelou, anteontem, que nunca considerou conveniente a presença de tropas australianas e neozelandesas em Timor-Leste. «Não são, nem nunca foram, necessárias», disse o secretário-geral da FRETILIN em declarações à Lusa.
Para o ex-primeiro-ministro maubere, o pedido de envio de militares vizinhos ficou a dever-se à pressão para que as autoridades não privilegiassem «um lado em vez do outro», em clara referência à divisão no seio do poder quando uns confiavam mais no auxílio português e outros preferiam estender a mão a Camberra.
Alkatiri disse ainda acreditar que os australianos estão em Timor para ajudar, mas, esclareceu, se «esta ajuda se tornar desnecessária, têm outros trabalhos para fazer no seu próprio país», até porque, acrescentou, «a Austrália deve entender que a melhor forma de se relacionar com Timor-Leste é respeitar-nos como país diferente, soberano e amigo».
Quanto ao Alfredo Reinado, o dirigente explicou que na sua perspectiva o major «começou por ser utilizado e agora pensa que é uma figura». Apesar de tudo, Alkatiri afirmou confiar na justiça, local onde, continuou, Reinado deve prestar contas.


Contra a privatização da água

Comemora-se hoje o Dia Mundial da Água, que este ano é dedicado aos problemas da escassez. Mas esta questão não é a única da ordem do dia. A tentativa de privatizar a água constitui outra preocupação. O Movimento Cívico da Covilhã alerta para algumas consequências da privatização da água: o brutal aumento dos preços; a baixa da qualidade dos serviços; o despedimentos de trabalhadores; a discriminação entre zonas ricas e zonas pobres; a diminuição da transparência das contas, da participação e controlo democráticos e aumento da corrupção; e a utilização dos lucros obtidos para investimentos em outros negócios não relacionados com a água.
«A privatização da Águas da Covilhã, mesmo que parcial, nunca conseguirá garantir o controle público sobre um bem que é de todos e de que todos precisam, tenham ou não dinheiro para pagar. Depois de concretizada esta venda, a tendência será, com os mesmos argumentos de hoje, para privatizar totalmente amanhã. O saneamento já foi privatizado e este ano iremos pagar mais de 1 milhão de euros à Somague. E para 2008, o valor será de 1,7 milhões de euros», alerta o movimento.


Aquilino Ribeiro no Panteão

A edição de segunda-feira do Diário da República oficializou a notícia de que os restos mortais do escritor Aquilino Ribeiro serão trasladados para o Panteão Nacional, em Lisboa.
Nascido em 1885 em Carregal da Tabosa, Aquilino Ribeiro iniciou a sua obra com os contos Jardim das Tormentas, publicados em 1913, seguindo-se A Via Sinuosa, em 1916. Foi um dos romancistas mais fecundos do século XX, tendo editado obras fundamentais da literatura portuguesa como O Malhadinhas, Terras do Demo e Quando os Lobos Uivam.


Primeiras juízas egípcias

Pela primeira vez na história do Egipto, foram nomeadas juízas, na semana passada. O anúncio foi feito pelo chefe do Conselho Supremo da Magistratura e simultaneamente presidente do Supremo Tribunal de Justiça.
«Trinta e uma mulheres foram escolhidas entre os advogados e juristas que trabalham nos tribunais administrativos», afirmou Moqbel Shaker à comunicação social.
O Egipto foi o primeiro país árabe a conceder direitos políticos às mulheres, em 1956, mas até agora não existiam juízas. Noutros países islâmicos, as mulheres acederam a este cargo há vários anos. É o caso do Sudão, da Tunísia e de Marrocos.


41 horas de notícias para Cavaco

Durante o primeiro ano do mandato de Presidente da República, Cavaco Silva foi notícia 1152 vezes, durante 41 horas e 14 minutos, nos quatro canais de televisão: RTP1, 2:, SIC e TVI. Estes valores foram divulgados pela Marktest.com na sexta-feira.
O segundo semestre teve mais impacto na comunicação social, com mais 38,5 por cento de notícias a referirem Cavaco Silva. A RTP1 foi o canal que maior número de peças com referências ao Presidente da República, num total de 415, o que correspondeu a 36 por cento do total e a 15 horas e 13 minutos. A TVI apresentou 282 notícias (nove horas e 37 minutos), a SIC 254 (10 horas e 15 minutos) e a 2: 201 (seis horas e nove minutos).


Resumo da Semana