15 meses a subir

As taxas de juro de referência para os empréstimos à habitação voltaram a subir no passado mês de Fevereiro, situação que ocorre em Portugal pelo 15.º período consecutivo.
De acordo com os dados recolhidos pelo Instituto Nacional de Estatística, o valor médio dos juros para aquisição de terrenos cifrou-se no último mês em 4,58 por cento, e para construção ou compra de habitação própria, a esmagadora maioria dos casos, em 4,816.
Neste quadro, as famílias portuguesas viram subir para 315 euros a prestação média mensal, e em 251 euros o valor médio do capital em dívida no final dos respectivos contratos.


Roda dos milhões

Meio milhão de euros foi quanto Rui Cartaxo, ex-gestor da Galpenergia e recentemente nomeado para o conselho de administração da REN – Redes Eléctricas Nacionais, presidida por José Penedos, recebeu de indemnização, há menos de um ano, quando abandonou o cargo na petrolífera nacional, divulgou o jornal Público na sua edição de anteontem.
Segundo apurou o matutino, o ministério das Finanças considera a situação regular porque, cita o diário, «não envolve empresas públicas».
O Público recorda ainda que o caso não é único na Galpenergia, uma vez que também Manuel Ferreira de Oliveira recebeu igual maquia quando rescindiu o vínculo com a empresa, à qual regressaria posteriormente para funções homólogas.


Três novos títulos

«A História do Desporto em Portugal – do Século XIX à Primeira Guerra Mundial», é o novo livro de Homero Serpa, editado pelo Instituto Piaget. A Obra foi apresentada quinta-feira da semana passada, na FNAC do Chiado, e é, nas palavras de Manuel Sérgio, «a rebelião crítica de quem vê no desporto um fenómeno social e político».
Também nos escaparates das livrarias encontram-se o livro do jornalista César Príncipe, intitulado «aborto no país da virgem», editado pela intervir/arcadasletras, e «Eis o Pão», divulgado pela Pé de Página, da autoria de José Vultos Sequeira, um alentejano autodidacta de várias profissões.


Independente pode fechar

O ministério do Ensino Superior advertiu, em nota de imprensa divulgada segunda-feira, que pode optar pelo encerramento da Universidade Independente caso não se proceda à «reposição integral da normalidade institucional e académica», posição sustentada, acrescenta a tutela, pelas iniciativas em curso que visam a «reapreciação do processo de reconhecimento da Universidade, e a inspecção às condições de funcionamento».
Neste sentido, esclarece ainda o documento oficial citado pela Lusa, a SIDES - Sociedade Independente para o Desenvolvimento do Ensino Superior, S.A, «foi notificada pela Direcção-Geral do Ensino Superior para o fornecimento, no prazo de dez dias, da informação necessária».
Os desentendimentos em torno da gestão da Universidade Independente conheceram a semana passada novos desenvolvimentos quando o vice-reitor, Rui Verde, foi ouvido pelo Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa, instância que decretou a sua prisão preventiva.
No dia anterior, Rui Verde juntou-se a outros membros da direcção da universidade para retomar o controlo sobre a instituição, perdido para Luiz Arouca em Fevereiro último, nomeando inclusivamente um novo conselho reitoral. Arouca contesta Verde e diz continuar a ser o legítimo responsável pela UnI.


Atletas amadores batem recordes

O nadador português Tiago Venâncio, do clube Palmela Desporto, garantiu, segunda-feira, em Melbourne, na Austrália, onde decorre o campeonato do mundo da modalidade, os mínimos para os Jogos Olímpicos de 2008, em Pequim, acrescentando ao feito o novo recorde nacional na especialidade de 200 metros livres.
Igualmente extraordinária, sobretudo se considerarmos que se trata de atletas amadores, foi a qualificação para o campeonato do mundo alcançada pela selecção portuguesa de râguebi após bater a duas mãos a congénere uruguaia.
Portugal vai estar presente pela primeira vez num mundial da modalidade, proeza tanto mais importante se tivermos em conta que seremos a única selecção amadora a qualificar-se para o maior evento do râguebi mundial.


Resumo da Semana