Programa urgente para Lisboa
CDU: A força alternativa
As políticas de direita conduziram a cidade de Lisboa à situação complexa em que hoje se encontra. Foram concretizadas pelo PSD e pelo CDS-PP nos últimos seis anos, e tiveram, nas questões essenciais, o apoio e o voto do PS. Para ultrapassar estes problemas, a CDU, sempre com propostas alternativas, apresentou, sexta-feira, um conjunto de medidas urgentes para Lisboa, que não constituem nem um elenco de promessas nem um catálogo de sonhos, mas, pura e simplesmente, a definição de um conjunto de orientações e de linhas de trabalho.

Jerónimo de Sousa, em Grândola, sobre a greve geral
Consciência, coragem e dignidade<br> para uma luta que continuará
O secretário-geral do PCP, ao intervir no comício da Festa da Fraternidade, em Grândola, no domingo, dedicou particular atenção à greve geral de 30 de Maio. Jerónimo de Sousa saudou a decisão da CGTP-IN de convocar a paralisação e valorizou a participação dos trabalhadores, que demonstraram elevada consciência e grande coragem e dignidade.

O protesto foi mais forte
do que as manobras para o encobrir

Mais de um milhão e 400 mil
Menos de uma semana depois da greve geral, a CGTP-IN reuniu os órgãos de direcção e reafirmou o forte impacto da luta, agora expresso num número global: em todo o País, no dia 30 de Maio, a greve geral envolveu mais de um milhão e 400 mil trabalhadores.

Pelo direito à greve nos transportes
Serviços mínimos ilegais
Recusando cumprir os serviços mínimos impostos ilegalmente, os trabalhadores dos transportes públicos em força à greve geral, revelaram os sindicalistas do sector ao Avante!.

Histórica adesão na Transtejo
E nem um barco andou

Intimidação e ameaças na Lusosider

CGD com 60 a 70 por cento

Mais de mil escolas

Resistindo a todas as ilegalidades
Um tremendo impacto
Muitos milhares de trabalhadores resistiram a todo o tipo de ameaças, chantagens e intimidações, e fizeram da luta, uma jornada histórica, confirmou José Ernesto Cartaxo ao Avante!.

Contra a «guerra dos números»
A verdade da greve geral
Ainda a greve geral não tinha começado, já se ouvia nas rádios e televisões que era de esperar uma «guerra de números». Com um «comando» de sete ministros e secretários, o Governo comprovou, horas depois, estar disposto a tudo, para mostrar que não quis ver a maior manifestação de protesto com que já se confrontou.

Em Guimarães dia 5 de Julho