<em>Somague</em> financiou PSD

A empresa de construção civil e obras públicas Somague SA financiou ilegalmente o PSD e a JSD. A conclusão vem num acórdão do Tribunal Constitucional divulgado anteontem pela Lusa e tem como pressuposto o incumprimento da Lei do Financiamento dos partidos políticos na medida em que configura um financiamento indirecto.
Segundo a agência noticiosa, uma factura no valor de 233 mil 415 euros emitida pela Novodesign por serviços prestados ao PSD e à JSD terá sido reencaminhada para a Somague para que fosse esta entidade e não o partido a suportar os custos dos trabalhos efectuados pela empresa de artes gráficas.
O caso remonta a Março de 2002, quando Durão Barroso era líder do PSD e o partido se encontrava em plena campanha para as legislativas, as quais viria a ganhar derrotando o PS, órfão de António Guterres.
No decurso das investigações, a Polícia Judiciária viu-se impedida de ouvir o então secretário-geral do PSD, José Luís Arnaut, actual deputado social-democrata que se terá escudado com a imunidade parlamentar. Igualmente indisponível para aclarar o caso demonstrou-se o secretário-geral adjunto à data dos acontecimentos, alegadamente por «razões de saúde».


Morreu Celestino Castro

Faleceu no passado dia 13 de Agosto, segunda-feira, com 87 anos de idade, o arquitecto e militante comunista Celestino Castro.
Celestino Castro concluiu a sua formação académica na Escola Superior de Belas Artes do Porto, cidade à qual fica ligado pelas obras de vulto que ali projectou.
Em Lisboa, o arquitecto que foi um dos percursores do movimento moderno e deixa a sua marca, entre outros, nos edifícios residenciais existentes na Avenida dos EUA, em Entrecampos.
Em telegrama enviado à família do camarada Celestino Castro, o Secretariado do Comité Central do PCP expressou as sentidas condolências e o profundo pesar pelo desaparecimento dum militante comunista cujo contributo para a luta contra o fascismo, pela liberdade, sempre com os trabalhadores e as suas causas, perdurará como exemplo no colectivo partidário.


<em>Apartheid</em> punido com brandura

Adriaan Vlok, antigo ministro do Interior da África do Sul durante o período do Apartheid, foi condenado, sábado, a dez anos de prisão com pena suspensa acusado de ser o responsável pela tentativa de assassinato do clérigo Frank Chicane, um dos actuais conselheiros do presidente do país, Thabo Mbeki.
Juntamente com Vlok, foram igualmente condenados pelo mesmo crime outros quatro indivíduos, entre os quais Johan Van der Merwe, ex-chefe da polícia. Todos ficaram com a pena suspensa por um período de cinco anos.
Vlok já se havia retratado publicamente dos crimes cometidos durante o regime ditatorial sul-africano, nomeadamente pela tortura de uma dezena de jovens activistas políticos, mas tais atrocidades não mereceram apreciação judicial, brandura que os responsáveis pelo governo racista nunca demonstraram com os seus opositores.


Dean provoca estragos

O furacão Dean atingiu a sua força máxima ao passar pelo México, terça-feira, provocando avultados prejuízos materiais em algumas das mais conhecidas estâncias balneares do país. Milhares de turistas foram deslocados para abrigos de emergência.
O primeiro furacão da chamada temporada atlântica transportou ventos que atingiram os 270 quilómetros por hora com rajadas superiores a 350 quilómetros por hora. Apesar da violência, as autoridades mexicanas informaram que a situação se encontrava controlada e não foram registadas vítimas mortais.
Cenário diferente ocorreu na Martinica, Republica Dominicana, Haiti, Jamaica e Ilhas Caimão, territórios por onde o Dean passou causando a morte a uma dúzia de pessoas.
Cuba também estava na rota previsível do furacão. Muito embora o Dean tenha passado ao largo, o governo de Havana pôs em marcha o plano de prevenção para estas situações envolvendo centenas de milhar de pessoas, razão pela qual são as próprias Nações Unidas que dizem que, nesta matéria, Cuba dá lições ao resto do mundo.


Resumo da Semana