Sobe o crédito mal parado…

Segundo o boletim informativo do Banco de Portugal, divulgado no dia 22, o crédito mal parado, considerado de cobrança duvidosa, cresceu 2,8 por cento. Os dados comparam a situação, em Junho, com o período homólogo do ano passado. Há dois meses, nesta situação estavam 2,162 mil milhões de euros. Os empréstimos a particulares totalizavam, em Junho passado, mais 10,04 milhões de euros (9 por cento) do que no mesmo mês do ano anterior. Entre Maio e Junho últimos, o crédito concedido por instituições financeiras a particulares residentes em Portugal aumentou 0,97 por cento. No mesmo período, os empréstimos bancários para compra de casa aumentaram um por cento. Enquanto isto, a taxa euribor, a seis meses, que determina os aumentos das prestações por empréstimos para habitação subiu, desde Janeiro, quase 24 por cento.


... as taxas de juros também

Por todo o mundo, os bancos centrais continuam a subir as taxas de juro para prevenir a inflação, demonstrando pouca preocupação com a crise, no Estados Unidos, decorrente do crédito mal parado decorrente dos empréstimos contraídos para aquisição de habitação. No dia 22, o Banco Central Europeu sugeriu que continuasse o aumento do preço do dinheiro e estima-se que, em Setembro, chegue aos 4,25 por cento. A China, Austrália, Coreia do Sul, África do Sul e Noruega já voltaram a subir as taxas.


Incêndios na Grécia

Convocados pelos partidos de esquerda, nomeadamente pelo Partido Comunista da Grécia, KKE, e por organizações ambientalistas, milhares de pessoas manifestaram-se nas ruas de Atenas para acusarem o governo, de direita, de negligência criminosa pela forma como tem gerido o combate aos incêndios. Nos últimos dois meses, o país tem sido assolado por incêndios provocados intencionalmente. Os manifestantes e também as autoridades consideraram que os fogos, de origem criminosa, são motivados por interesses que se prendem com especulações imobiliárias.
A mais recente vaga iniciou-se na sexta-feira, embora tenham havido duas anteriores, desde Junho, sem que o governo tenha tomado as precauções necessárias, segundo os manifestantes e a oposição de esquerda.
Mais assolada tem sido a região do Peloponeso e a ilha de Eubéia, a nordeste de Atenas, no sul o país. Até terça-feira estavam confirmados 63 mortos, dezenas de aldeias e de habitações tinham sido destruídas pelas chamas e são milhares os habitantes deslocados. Também o museu arqueológico e as ruínas da cidade antiga, Olímpia estiveram ameaçados.
A Procuradoria-Geral grega está a avaliar a possibilidade de passar a qualificar, como acto terrorista, o crime de fogo posto.


Nelson Évora é campeão do mundo

Nos mundiais de atletismo em Osaka, no Japão, o atleta português, Nelson Évora, sagrou-se, segunda-feira, campeão do mundo de triplo salto, feito nunca antes alcançado pelo atletismo nacional. Com 23 anos, Nélson Évora alcançou a marca de 17,74 metros que é o novo recorde nacional nesta modalidade. Natural da Costa do Marfim mas radicado em Portugal desde os cinco anos, o atleta do Benfica que se nacionalizou português, em 2002, alcançou a medalha de ouro com o seu terceiro salto suplantando o brasileiro detentor da melhor marca do ano, Jadel Gregório e o ex-campeão do mundo, Walter Davis, dos Estados Unidos.
Depois de ter sido suspenso por motivo de falsa partida na prova dos cem metros, o velocista português, Francis Obikwelu, tentou compensar o desaire participando nos 200 metros. Na terça-feira, qualificou-se para a meia-final da prova.
No salto em altura, a atleta, Naide Gomes conseguiu, anteontem, o quarto lugar, com 6,87 metros, tendo ficado a apenas 3 centímetros da medalha de bronze, conquistada pela russa, Tatyana Kotova. Todas as medalhas desta prova foram ganhas por atletas russas.


Pais entregam filhos a um <em>Reality show</em>

Nos Estados Unidos, a cadeia de televisão, CBS, está a preparar um reallity show com crianças, ao estilo do Big Brother, chamado Kid Nation (A nação criança), onde os pais assumem, num contrato, a entrega à produtora dos direitos sobre a vida dos filhos com idades compreendidas entre os 8 e os 15 anos. O contrato de 22 páginas desresponsabiliza a estação se as crianças ficarem doentes, se engravidarem, contraírem HIV, ou até se morrerem durante as filmagens. Os pais concordam que os filhos obedeçam a tudo o que a produtora pretenda, sob pena de serem expulsos.
Segundo o New York Times, o concurso foi gravado numa cidade abandonada, no Estado do Novo México, onde tiveram de viver numa sociedade sem adultos.
Cada criança recebe 3600 euros no fim de cada temporada.


Resumo da Semana