Ensino perde professores

O sistema público de ensino perdeu nos dois últimos anos mais de dez mil professores. A estes poderão juntar-se mais dez a doze mil no ano lectivo de 2007/2008, segundo as contas da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), citada pelo «Diário de Notícias» que trouxe o tema para manchete da sua edição de 2 de Setembro, domingo.
No concurso nacional para preenchimento de necessidades residuais, cujos dados foram divulgados no dia 31 de Agosto, só 3252 candidatos à contratação, entre os 47 977 que concorreram, obtiveram um horário completo no próximo ano lectivo. Entre os participantes estavam mais de 20 mil que, em 2006/07, tinham contrato. O que significa, admitindo que a esmagadora maioria das 3 252 vagas foi entregue a docentes com experiência - e não aos recém-licenciados -, que aproximadamente 17 mil contratados foram para o desemprego».


Jornalistas contestam restrição

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) criticou a restrição introduzida na última revisão do Código Penal, defendendo que a nova regra é «injustificada».
De acordo com o novo Código, publicado em Diário da República no dia 29 de Agosto, a divulgação pelos media de conversações ou comunicações interceptadas no âmbito de um processo só poderá ocorrer com autorização expressa dos intervenientes. Na ausência de tal consentimento, havendo divulgação, após ponderada avaliação ética e profissional, o jornalista enfrenta o risco de ter de demonstrar em tribunal «o iniludível interesse público» da decisão de dar a conhecer as transcrições de comunicações interceptadas, caso seja indiciado pelo crime de desobediência.
Daí que o Sindicato, em comunicado emitido no dia 31 de Agosto, afirme confiar que «os jornalistas saberão ponderar a relevância das informações na sua posse», acreditando simultaneamente que «os tribunais não deixarão de reconhecer o interesse preponderante que justifica a divulgação das transcrições», afastando assim a ilicitude da sua conduta.


Novo título para Vanessa Fernandes

Vanessa Fernandes sagrou-se no dia 1 campeã do mundo de triatlo, na categoria de Elites, em prova disputada na cidade alemã de Hamburgo. Com os olhos nas Olimpíadas de Pequim 2008, onde é forte candidata à medalha de ouro, a jovem atleta portuguesa conclui com 1.57.27 os três percursos (1,5 Km de natação, 40 de ciclismo e 10 de corrida).
A medalha olímpica é, aliás, a única que falta a Vanessa Fernandes, que, aos 21 anos, tem já um notável palmarés, onde se inscreve quase tudo o que havia para ganhar: tetra campeã europeia, campeã e vice-campeã mundial, oitava nos jogos de Atenas 2004, 17 vitórias em Taça do Mundo.
Natural de Perosinho, Vila Nova de Gaia, a filha de Venceslau Fernandes, glória do ciclismo, vencedor da Volta a Portugal em 1984, representa actualmente o Benfica.


Vendas Novas cria bolsas de estudo

A Câmara Municipal de Vendas Novas, distrito de Évora, decidiu atribuir bolsas de estudo num valor superior a 11.000 euros aos alunos mais carenciados do concelho. Os candidatos às bolsas, válidas para o próximo ano lectivo, podem formalizar os processos até 28 de Setembro. Abrangidos serão 21 estudantes dos ensinos secundário, técnico-profissional e superior.
Revelador das suas preocupações e prioridades, este apoio de grande alcance social do município alentejano de maioria CDU é por si justificado com a garantia de cumprimento dos anseios e necessidades cívicas e de formação da sua juventude.
Na globalidade, serão concedidas 21 bolsas de estudo, no valor de 11.250 euros.


Brasil lembra crimes da ditadura

O Arquivo Nacional do Brasil vai criar um banco de dados sobre o período da ditadura brasileira (1964-85) que poderá ser consultado pela Internet, informaram fontes oficiais no dia 2 de Setembro.
O banco de dados deverá estar disponível a partir de 2008 e não terá restrições de qualquer tipo, segundo o director do Arquivo Nacional, Jaime Antunes da Silva, em declarações à agência noticiosa oficial brasileira (Agência Brasil).
Este anúncio da possibilidade de consulta de documentos sobre a ditadura surge quatro dias depois da publicação de um livro intitulado «O Direito à Memória e à Verdade», no qual o Governo brasileiro reconhece pela primeira vez a responsabilidade do Estado nos crimes cometidos pelo regime militar.
As famílias das vítimas da ditadura reclamam desde há muito o acesso a documentos secretos e a arquivos como o das forças armadas para obter informações sobre as centenas de mortos e desaparecidos durante aquele período negro da história recente do Brasil.


Resumo da Semana