Portugueses sem dinheiro para dentista

Cerca de metade da população portuguesa não tem capacidade para pagar uma consulta de medicina dentária, o que prejudica a saúde oral e está a levar os dentistas a procurarem outros países para exercer a profissão.
«Estimamos que cerca de 50 por cento da população portuguesa não tenha capacidade para pagar sequer uma consulta na medicina dentária privada. Enquanto não houver médicos dentistas nos centros de saúde ou sistemas de concessão, as pessoas estarão excluídas da saúde oral», afirmou, à Lusa, o bastonário da Ordem dos Médicos Dentistas, Orlando Monteiro da Silva.


Sexo quase sempre seguro

Cerca de 85 por cento das mulheres portuguesas em idade fértil e sexualmente activas recorra a métodos contraceptivos, revelou o Inquérito Nacional de Saúde, cujos resultados foram divulgados anteontem pelo Observatório Nacional de Saúde.
Em declarações à Lusa, a organização afirmou que 15 por cento das inquiridas não utiliza qualquer contraceptivo. Os índices mais baixos de utilização de contraceptivos registam-se no Alentejo, onde apenas 81,4 por cento das mulheres usa contraceptivos, em contraste com a zona Centro, com mais de 87 por cento das mulheres a recorrerem a métodos contraceptivos.
Em termos etários, o valor mais baixo de uso de contraceptivos mantém-se no escalão etário mais jovem, dos 15 aos 19 anos, e a mais elevada concentra-se nas faixas etárias intermédias, dos 25 aos 29 anos e dos 30 aos 34 anos.


Morreu Marcel Marceau

O mímico francês Marcel Marceau morreu no domingo, aos 84 anos. O actor, nascido em Estrasburgo a 22 de Março de 1923, tornou-se um dos artistas franceses mais conhecidos no mundo.
Desde pequeno que admirava os «artistas silenciosos» do cinema mudo como Charlie Chaplin, Buster Keaton ou Harry Langdon, os quais se esforçou por imitar, inspirando-se ainda nos palhaços da Commedia dell'Arte e nos gestos estilizados da representação teatral chinesa.
Marcel Marceau ingressou na escola de arte dramática Charles Dullin, em 1946, e um ano mais tarde criou o personagem «Bip», marcado pela sensibilidade e pela poesia da dimensão trágica da sociedade moderna
Marceu afirmava que «a palavra não é necessária para exprimir o que se sente no coração».


Israel intensifica ataques na Faixa de Gaza

O Conselho Português para a Paz e Cooperação manifestou-se preocupado pela classificação, por parte de Israel, da Faixa de Gaza como «território inimigo».
Estas declarações constituem, para o CPPC, «uma ameaça e deixam temer a preparação de uma operação militar em larga escala contra a população daquela região». Em nota de imprensa, emitida na passada semana, o conselho para a paz assinalou ainda com «apreensão» o apoio prestado pelos EUA, pela voz da secretária de Estado Condoleeza Rice, a Israel e às suas intenções.
O CPPC chamou ainda a atenção para as notícias recentes que dão conta das medidas tomadas por Israel de reduzir o fornecimento de energia eléctrica e combustível à Faixa de Gaza, lembrando que quem mais sofre são as populações mais desfavorecidas da região, «massacradas já pelos bloqueios internacionais e pelos constantes ataques miliyares israelitas».
Recorde-se que na Faixa de Gaza o desemprego e a pobreza atingem 80 por cento da população, maioritariamente constituída por jovens.


Em nome do ambiente

Cerca de 200 países celebraram um acordo que acelera em 10 anos a eliminação de substâncias nocivas para a camada do ozono, em Montereal, no sábado. Além da União Europeia, o acordo foi subscrito por 190 países.
O director executivo do Programa das Nações Unidas para o Ambiente (PNUE), Achim Steiner, considera este acordo «um sinal vital» antes dos encontros sobre as alterações climáticas, em particular a cimeira de Nova Iorque.
Assinado em 1987, o Protocolo de Montreal, considerado como o acordo ambiental de maior eficácia, previa a eliminação dos HCFC em 2030 pelos países desenvolvidos e em 2040 pelos países em desenvolvimento.


Resumo da Semana