Explosão em Setúbal

A explosão de uma conduta de abastecimento de gás natural num prédio em Setúbal, quinta-feira da semana passada, ao final da tarde, destruiu os três últimos andares do edifício e provocou danos graves no resto da estrutura.
Apesar da violência do rebentamento, não se registaram vítimas entre os cerca de 160 moradores, apenas avultados prejuízos materiais nos 48 fogos do prédio, nas habitações circundantes e em cerca de uma dezena de veículos estacionados na zona.
Protecção Civil, Bombeiros Sapadores, INEM, PSP, Governo Civil e Câmara Municipal conjugaram esforços por forma a minimizarem o desconforto de quem ficou sem nada de um momento para o outro.
Responsáveis da Protecção Civil escoraram os pisos mais danificados do edifício por forma a evitar a derrocada destes. Especialistas do Laboratório Nacional de Energia Civil revelaram, entretanto, que suspeitam da qualidade da construção.


Soldado morre no Afeganistão

O soldado Sérgio Miguel Vidal Oliveira Pedrosa, de 22 anos, faleceu, sexta-feira, no Afeganistão, durante uma patrulha nocturna nos arredores da capital do país, Cabul.
A causa da morte do jovem militar terá sido um acidente rodoviário com um blindado português, explicou fonte do Estado Maior-General das Forças Armadas citada pela Lusa. O carro onde seguia saiu da via e capotou ao aproximar-se da berma da estrada.
Portugal tem 160 militares integrados nas forças militares que ocupam o Afeganistão. Durante os mais de dois anos de missão portuguesa sob a ordens da NATO, já morreram dois soldados e outros quatro resultaram feridos.


Violência doméstica aumenta

A Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) afirmou, domingo, data em que se assinalou o Dia Internacional pela Eliminação da Violência Contra as Mulheres, que no primeiro semestre de 2007 o número de queixas apresentadas junto da organização aumentou 10 por cento.
Socorrendo-se dos dados apurados relativamente ao ano de 2006, a APAV revelou que 39 mulheres foram mortas pelos maridos ou companheiros e mais de 40 ficaram feridas com gravidade fruto das agressões. Em Portugal, o homicídio conjugal ultrapassa os 16 por cento do total de homicídios.
O cenário é particularmente grave se tivermos em conta que, entre 2000 e 2006, as autoridades registaram um crescimento do número de queixas de pouco mais de 11 mil para mais de 20 mil.
Nos 15 gabinetes e duas casas de abrigo espalhados pelo território nacional, a APAV contabilizou, em 2006, 13600 crimes, entre os quais maus tratos físicos e psíquicos, ameaças, coação, difamação e injúrias, violação e outros crimes sexuais, subtracção de menores, violação da obrigação de alimentos e homicídio.


MURPI exige justiça

O Movimento Unitário de Reformados, Pensionistas e Idosos (MURPI), concentrou-se, sexta-feira, dia da votação final do OE para 2008, junto da Assembleia da República para exigir do Governo o aumento das prestações sociais, a dignificação das comparticipações nos medicamentos e a simplificação dos mecanismos de acesso ao Complemento Solidário. «O nível mais baixo de pensão teve um aumento de 18 cêntimos por dia. Não dá sequer para comprar um pão», notou um dos manifestantes ouvido pela Lusa.
Outro activista sublinhou que as medidas do executivo liderado por José Sócrates «são mais propaganda do que realidade». Exemplo disso é o Complemento Solidário que para além de extremamente curto para as necessidades, abrange uma pequena parte dos reformados portugueses, cada vez mais pobres, acrescentou.
Durante os trabalhos parlamentares, uma delegação do MURPI deslocou-se ao hemiciclo para entregar em mão o documento reivindicativo, mas apenas o deputado comunista Jorge Machado recebeu a organização.


Ex-ministros de Fujimori condenados

Uma dezena de ex-ministros do governo do antigo presidente Alberto Fujimori foram condenados, segunda-feira, pelo Supremo Tribunal do Peru a penas de prisão entre quatro e dez anos por envolvimento no golpe de Estado de 1992.
Quanto a Fujimori, aguarda num cárcere da capital, Lima, a conclusão dos processos que enfrenta depois de ter sido extraditado do Chile. O antigo chefe de Estado do Peru é acusado de orquestrar o golpe, corrupção e violação dos direitos humanos, podendo a sua condenação chegar aos 20 anos de detenção.


Vida prolongada obriga devolução

O governo norte-americano está a exigir centenas de milhares de dólares às clínicas que albergam doentes em fase terminal e idosos com doenças graves que ultrapassaram o prazo inicialmente previsto para morrerem.
De acordo com o The New York Times, centenas de clínicas estão na contingência de devolver os fundos recebidos ao abrigo do programa estatal Medicare, o qual suporta as despesas de saúde dos últimos seis meses destes doentes.
O absurdo é que a administração entende que nos casos em que a vida dos cidadãos tenha sido prolongada para além do meio ano coberto pelo seguro, o dinheiro pago por esse período suplementar tem que ser devolvido.


Resumo da Semana