Uma mais justa repartição de riqueza tem que ser conquistada
Melhores salários e direitos
A luta que se vê
O acordo salarial na Portucel Viana e o início de negociações no Golfe do Santo da Serra vêm reforçar a determinação de lutar na Cofaco e nas Minas da Panasqueira.
No dia a seguir a um plenário de trabalhadores da Portucel Viana, que reafirmou o apoio às reivindicações apresentadas à administração, ficou acordada uma actualização de 2,5 por cento, na remuneração-base e nas cláusulas com expressão pecuniária.
Esta revisão do Acordo de Empresa assegura um aumento mínimo de 25 euros no salário-base (a empresa antes propunha 22 euros), o que eleva a percentagem da actualização salarial a 137 trabalhadores, num total de 298 - informou o Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Celulose, Papel, Gráfica e Imprensa, acrescentando que um resultado idêntico foi obtido noutra empresa do grupo Gescartão, a Portucel Embalagem. Amanhã deverá iniciar-se a discussão de matérias relacionadas com o complemento de reforma, que levaram à realização, em 2007, de cinco dias de greve, com elevada adesão, em defesa dos direitos que a empresa queria reduzir drasticamente.
Na expectativa de, até 11 de Março, ser possível estabelecer um acordo de empresa, o sindicato da Hotelaria e Similares da Madeira anunciou sexta-feira a suspensão da greve anunciada para os dias 19 a 23 de Março, no Clube de Golfe do Santo da Serra, que coincidiria com uma importante competição. Só após a marcação da greve a direcção do clube aceitou negociar o AE.
Para ontem estava marcada nova reunião de negociações do Acordo de Empresa na Cofaco. À entrada da fábrica da conserveira açoriana, na vila de Rabo de Peixe (ilha de São Miguel), teve lugar no dia 27 de Fevereiro uma concentração contra o arrastamento do processo negocial, há mais de seis meses, como referiu à agência Lusa um dirigente do Sabces/CGTP-IN. Caso não fosse possível um entendimento, Vítor Silva perspectivou a intensificação da luta.
Em plenário, anteontem à tarde, os trabalhadores das Minas da Panasqueira deveriam analisar a resposta a dar à postura intransigente da administração, que rejeitou as propostas do STIM/CGTP-IN com vista a um acordo salarial. O Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Mineira, em comunicado, apontou na semana passada a contradição entre os bons resultados da Beralt Tin & Wolfram e a recusa de aumentos salariais que melhorem as condições de vida, com uma mais justa distribuição da riqueza criada.
No grupo Renault Chelas terá lugar, amanhã, um plenário geral de trabalhadores, para analisar a posição da administração e perspectivar novas formas de luta - informou o Sindicato dos Metalúrgicos de Lisboa, Leiria, Santarém e Castelo Branco. Desde dia 27 e até anteontem, foram realizadas greves diárias de uma hora, por um aumento real dos salários e contra a retirada de direitos (no seguro de saúde). Ao terceiro dia de luta, a administração chamou a Polícia, mas a força que compareceu no local «agiu em função da razão que assiste aos trabalhadores», revelou o sindicato.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: