Vida de Saramago em exposição

«José Saramago - A Consistência dos Sonhos», assim se chama a exposição sobre a vida e obra do nosso Nobel da Literatura, inaugurada dia 23, na Galeria D. Luís I, do Palácio da Ajuda.
Depois de ter estado em Lazarote, onde ganhou forma a partir de uma ideia de Fernando Gómez Aguilera, director cultural da Fundação César Manrique, a exposição chega a Lisboa para mostrar ao público mais de 1.200 documentos, fotografias, vídeos, recortes de jornais, objectos pessoais do escritor, cartazes e livros.
Na presença de várias individualidades, governantes e responsáveis políticos, entre os quais o primeiro-ministro e os titulares da pasta da Cultura português e espanhol, o Secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, e José Casanova, da Comissão Política e director do Avante!, José Saramago defendeu que a Língua Portuguesa é um «bem precioso» que carece de ser melhor tratado pelos portugueses.
«O Português é hoje mal falado, é atropelado mortalmente todos os dias mas, como tem muita energia, sacode-se e põe-se de pé e continua», afirmou o escritor, sublinhando que «a língua é a mais preciosa das ferramentas».
O autor de «Memorial do Convento» chamou ainda a atenção para a importância não apenas de escrever bem mas também de falar bem a nossa língua.
«Nós, os que estamos aqui neste tempo, no que chamamos mundo de Língua Portuguesa, temos obrigação de escrevê-la bem, cada vez melhor, mas há outra obrigação que temos: falá-la bem», sustentou, fazendo notar como é importante tomar a consciência de que «se há um bem precioso que, ainda por cima, não é de ninguém em particular, é obra de todos, é a Língua Portuguesa».


Sines inaugura Escola da Artes

A antiga estação dos caminhos-de-ferro de Sines alberga desde o dia 25 de Abril, data em que foi inaugurada, uma Escola das Artes, onde passam a funcionar vários cursos de música durante um trimestre de experiência. Dança, teatro e artes plásticas são as restantes artes a incluir no programa de ensino da nova escola, a cargo do município de Sines.
A Escola das Artes de Sines, que entra em funcionamento no próximo dia 5 de Maio, conta já com mais de uma centena de alunos inscritos, a maioria dos quais para as aulas de piano e guitarra, em cursos de jazz, música livre, infantil e tecnologia.
A nova escola foi dotada de biblioteca, fonoteca, sala para conjunto instrumental e gravação, salas de estudo, salas individuais para aulas de instrumento e sala para aulas teóricas de conjunto, contando ainda com uma régie e uma sala de gravação para os alunos do curso de música e tecnologia.


César Príncipe lança livro de poemas

«Correio Vermelho», assim se chama o mais recente livro de poemas de César Príncipe, apresentado em sessão pública no dia 24 de Abril, na Casa Sindical, no Porto.
Marcando a estreia da Seara do Vento, a nova chancela da Arca das Letras, o lançamento desta obra do jornalista portuense teve o patrocínio da União dos Sindicatos do Porto, que organizou as comemorações do 25 de Abril naquela cidade, e que, daquela forma, pretendeu simultaneamente «homenagear o amigo que em todos os momentos, mesmo nos mais difíceis, sempre esteve ao lado dos trabalhadores e das suas causas».
Com esta obra, César Príncipe regressa à poesia, depois de ter editado na década de 60 os títulos «Loucura no Deserto» e «Verdura nos Papiros», que lhe valeram elogios de Miguel Torga e Fernando Namora.
O seu novo livro de poemas, como refere uma nota à imprensa da União dos Sindicatos do Porto, «acentua a marca dos afectos, memórias e opções de quem considera que a literatura não dispensa a exaltação de Zeca Afonso, Adriano Correia de Oliveira, Álvaro Cunhal, Salgueiro Maia ou a denúncia de poderes, circunstâncias e doutrinas».


Beja requalifica centro histórico

Beja vai reabilitar o seu centro histórico através de um projecto que prevê requalificar casas, igrejas e edifícios públicos e criar um centro comercial ao ar livre, anunciou o município na véspera do 25 de Abril.
Envolvendo a autarquia e vários parceiros locais, este é um projecto considerado «bastante ambicioso», com um «valor incontornável» para a cidade, capaz de permitir «regenerar e qualificar o centro histórico», como salientou em declarações à Lusa o presidente da edilidade, eleito pela CDU, Francisco Santos.
Quase um terço do investimento total previsto no programa, co-financiado por fundos comunitários, vai ser aplicado no Bairro da Mouraria, onde a autarquia prevê investir 3,1 milhões de euros na reabilitação de infra-estruturas urbanas, de várias casas devolutas ou abandonadas e do troço da muralha que atravessa a zona.


Resumo da Semana