Luta e acordo nos aeroportos
Um acordo entre a empresa e os sindicatos permitiu desconvocar anteontem a greve de 24 horas, convocada para sábado, na Sociedade Portuguesa de Handling (SPdH/Groundforce), devido a incumprimento do Acordo de Empresa, em matéria de horários, descansos e pausas para refeição, e também por não estarem a ser respeitadas as evoluções nas tabelas salariais.
A greve integrava-se num conjunto de lutas iniciado em todos os estabelecimentos da SPdH/Groundforce desde dia 1, e afectaria a assistência aos passageiros nos aeroportos de Lisboa, Porto, Faro, Funchal e Porto Santo, avisaram os sindicatos Sitava/CGTP-IN, SIMA, SINTAC, SQAC e STHA. Durante todo este mês, estes trabalhadores estiveram em greve a todas as horas extraordinárias e às mudanças de turno.
Foi igualmente desconvocada uma concentração que ontem reuniria funcionários da TAP e da SPdH diante da sede da administração da transportadora nacional.
Os representantes dos trabalhadores da SPdH/Groundforce tinham reunido, dia 10, pela terceira vez numa semana, com a administração, sem que tivessem chegado a acordo para resolver o conflito, também motivado pela tentativa de transferência de serviços para a TAP, sua accionista minoritária.
Estas formas de luta tinham sido decididas no dia 18 de Junho, quando os trabalhadores reuniram em plenário, diante da sede da TAP, para reivindicarem a correcção imediata dos salários. «Só a solução desta situação poderá levar a diálogos mais alargados sobre matérias que as partes entendam úteis no futuro», avisaram os sindicatos, num comunicado conjunto divulgado dia 2.

SATA

A partir de dia 30 e até 11 de Agosto, também os trabalhadores de terra da SATA cumprirão uma greve ao trabalho extraordinário, contra a tentativa de segmentação da transportadora aérea açoriana, anunciou um dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos, Sitava, citado pela Lusa.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: