O ouro de Nelson<br>e a vontade de Cardoso

Nelson Évora conquistou, dia 21, o primeiro lugar na competição olímpica do triplo salto, realizando 17,67 metros, a melhor marca do ano até ao momento.
Esta foi a única medalha de ouro obtida por atletas portugueses nos Jogos Olímpicos de Pequim que encerraram no domingo, feito que não se registava desde há 12 anos.
A primeira medalha de ouro olímpica foi trazida para Portugal por Carlos Lopes, (maratona, Los Angeles, 1984) exemplo continuado por Rosa Mota, que venceu a maratona de Seul em 1988, e por Fernanda Ribeiro, que chegou à frente nos 10 mil metros de Atlanta em 1996.
O antepenúltimo dia da Olímpiadas ficou ainda marcado por um novo recorde nacional na marcha, alcançado por António Pereira, da Juventude Operária do Monte Abraão, que cortou a meta num honroso 11.º lugar.
Já Augusto Cardoso, o outro português que alinhou na prova dos 50 km marcha, chegou num modesto 40.º lugar entre 47 homens que cumpriram o percurso. Não se sentindo nas melhores condições físicas, este atleta do FC Porto fez questão de alinhar e completar a prova, até porque o percurso até Pequim não foi fácil. «Eu trabalho oito horas por dia e depois treino. Pinto gruas e a minha empresa deixou-me treinar para estes jogos. Pagou-me dois meses de ordenado para eu ir fazer estágio e eu queria-lhes agradecer. Se eu estou aqui é graças a eles», afirmou Augusto Cardoso, no final do trajecto que, confessou, «foi muito duro».


Saúde gera milhões de lucros

Um estudo divulgado na segunda-feira, 25, revela que as empresas proprietárias das clínicas privadas em Portugal facturaram 690 milhões de euros, em 2007, mais oito por cento que no ano anterior
Segundo o relatório elaborado pela empresa espanhola DBKA, as 40 clínicas ofereciam cerca de 2.200 camas, sendo a região de Lisboa a zona de maior concentração: 16 centros privados e cerca de 1.300 camas.
Este negócio é associado à «crescente penetração dos seguros de saúde», actividade que facturou 440 milhões de euros em 2007, mais 7,8 por cento que no ano anterior. O mercado dos seguros é dominado em 74 por cento pelas companhias Fidelidade Mundial, Ocidental, Império Bonança, Victoria e Allianz. Já as clínicas estão nas mãos de cinco grupos José de Mello Saúde, Grupo Espírito Santo Saúde, HPP, Grupo Português de Saúde e Clisa, que controlavam 80 por cento da oferta.


Tragédia aérea em Madrid

Um avião MD-82 da companhia espanhol Spanair despenhou-se, dia 20, quando descolava do aeroporto de Barajas, em Madrid, provocando a morte imediata de 153 dos 172 ocupantes do aparelho.
As causas do acidente, considerado o mais grave em Espanha nos últimos 25 anos, continuam por apurar. Contudo, apesar de a companhia garantir que todas as normas de segurança foram observadas, um problema técnico detectado na pista obrigou a aeronave a regressar ao terminal para ser inspeccionada pelos mecânicos.
Segundo relatos de sobreviventes, vários passageiros exigiram sair do avião, mas as portas continuaram fechadas e pouco depois o MD-82 voltou a tentar a descolagem fatídica. Uma falha de potência num dos motores terá provocado uma oscilação do aparelho, que se elevou a 50 metros, inclinando-se bruscamente para a direita até embater no solo e incendiar-se.
No sábado, o número de vítimas mortais elevou-se para 154 depois do falecimento no hospital de um dos 19 sobreviventes.


Pintor António Charrua<br>falece em Évora

António Charrua, uma das grandes referências da pintura portuguesa da segunda metade do século XX, faleceu aos 83 anos, dia 21, no Hospital de Évora, cidade onde residia há vários anos.
Nascido em 1925, Charrua integrou-se no movimento expressionista. Dedicou-se à escultura, gravura e cerâmica. Com exposições desde 1953, a nível internacional e nacional, foi galardoado em 1960 pela Fundação Calouste Gulbenkian, onde está representado. Obras do pintor estão também expostas no Museu Nacional de Soares dos Reis e no Museu de Helsínquia.
Muitos dos seus trabalhos realizados nos anos 60, em que combinou a pintura com colagens e objectos, basearam-se em lutas políticas que eram alvo da censura fascista, como a Guerra Civil de Espanha, a guerra do Vietname ou a guerra colonial conduzida pelo regime de António Salazar nas então colónias portuguesas.
Conviveu com nomes que marcaram o panorama artístico e literário português como Júlio Resende e Virgílio Ferreira. O seu corpo foi sepultado, sábado, 23, em Évora.


Vaticano proíbe padre de leccionar

O Vaticano suspendeu o padre argentino, Ariel Álvarez Valdés, das suas funções académicas de docente universitário, acusando-o de «apreciações erróneas» como negar a existência histórica de Adão e Eva, as aparições da virgem Maria ou do anjo que conversou com Maria.
O padre Valdéz, doutorado em teologia bíblica e autor de vários livros como O que Sabemos sobre a Bíblia?, leccionava há muitos anos na Universidade Católica de Santiago de Estero e no Seminário principal da mesma cidade.
À agência Télam, citada dia 21 pela espanhola EFE, o prelado disse que acatará a decisão da Igreja. «Não farei mais declarações, retirar-me-ei da docência e realizarei somente os sacramentos em Santiago del Estero». Porém, recusando retractar-se, lamentou a decisão da Santa Sé: «Se a universidade não é o local adequado, onde vamos propor estes temas?».
A resolução, assinada pelo secretário de Estado do Vaticano, cardeal Tarcisio Bertone, também proíbe Valdés de publicar artigos jornalísticos ou fazer comentários na rádio e televisão, confinando-o à realização de missas na sua paróquia.


Resumo da Semana