«Pela Liberdade, Pela Democracia, Por Abril»

Os subscritores do abaixo-assinado «Pela Liberdade, Pela Democracia, Por Abril» defenderam, durante uma audiência com Cavaco Silva, uma «participação activa» dos cidadãos na defesa dos seus direitos. «É preciso dar esperança aos portugueses e criar condições para a sua intervenção», disse, em declarações aos jornalistas, Modesto Navarro.
A subscrição, que apela à intervenção cívica dos portugueses em defesa da liberdade e da democracia, foi lançada há pouco mais de um ano, tendo conseguido reunir mais de 500 assinaturas, entre as quais as de Carlos do Carmo, Siza Vieira, António Borges Coelho, José Barata Moura, Manuel Gusmão entre muitos outros nomes das artes, ciência e educação.
«Há picos de intervenção do Governo que têm características autoritárias. Alguns autoritarismos têm emergido», afirmou, considerando que o «clima de medo que se vai instalando inibe a participação das pessoas».
Modesto Navarro lembrou ainda que os subscritores do abaixo-assinado estão a preparar uma iniciativa nacional para meados de Novembro, para assinalar o 60.º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos nas Nações Unidas.


Incentivar o ódio é crime

O líder do grupo de extrema-direita Hammerskins em Portugal, Mário Machado, foi, sexta-feira, condenado, pelo Tribunal Criminal de Lisboa, a quatro anos e 10 meses de prisão efectiva, pelos crimes de discriminação racial, coacção agravada, detenção de arma ilegal, ameaça, dano e ofensa à integridade física qualificada.
Para além do líder nacionalista, num julgamento com outros 35 arguídos, foram ainda condenados a penas efectivas os arguídos Alexandre Dias, Rui Veríssimo, Paulo Maia, Pedro Isaac e Paulo Lama.
Em comunicado, o SOS Racismo congratulou-se com a condenação, considerando que «pela primeira vez na história portuguesa» foi provado que «incentivar ao ódio contra os outros é crime». «Uma ideologia que defende o ódio, que defende a violência contra terceiros, que defende o uso de armas como estratégia, que defende a discriminação, que defende o nazismo não pode ser aceitável em nenhuma sociedade que assente os seus princípios no respeito pelos Direitos Humanos», refere o movimento.


Grande investimento em Mora

Uma nova fábrica de transformação de cortiça iniciou, na passada semana, a laboração na Zona Industrial de Mora, um investimento global de 3,3 milhões de euros que permitiu criar 30 postos de trabalho. A nova unidade fabril ocupa uma área de 2500 metros quadrados e utiliza a cortiça para a produção de pranchas delgadas que, posteriormente, serão entregues à indústria de rolhas e de outros sucedâneos em cortiça.
Este investimento, segundo o município, «reforça a tendência do concelho de Mora na fixação de pessoas e na criação de riqueza local». No concelho alentejano de Mora, com cerca de cinco mil habitantes, já existem unidades de transformação de tomate, chicória, mármores, produção de móveis, equipamentos electrónicos e produtos farmacêuticos.


Água imprópria para consumo

Os Açores são a região do País que apresentam os maiores incumprimentos dos diferentes parâmetros para avaliação da qualidade da água, revela o relatório anual do instituto regulador do sector relativo a 2007.
Na região autónoma, 22,01 por cento das análises feitas no concelho da Calheta (ilha de São Jorge) apresentam valores que não cumprem os parâmetros previstos por lei para o consumo humano. A seguir, estão os municípios de Laje das Flores (17,51) e Nordeste (14,27), indiciando um problema de qualidade no abastecimento de água que se reflecte noutras ilhas do arquipélago.
No continente, os valores mais elevados verificam-se em Castro d´Aire (10,08), Murça (8,48), Terras do Bouro (8,33) e Ponte de Sôr (8,37).


Descobertas importantes

O Prémio Nobel da Medicina de 2008 foi atribuído aos franceses Françoise Barre-Sinoussi e Luc Montagnier e ao alemão Harald zur Hausen pelas suas investigações sobre vírus, anunciou, no início da semana, o Instituto Karolinska em Estocolmo.
Barre-Sinoussi e Montagnier foram distinguidos pela descoberta do VIH (vírus da imunodeficiência humana) e zur Hausen por ter descoberto que o cancro do colo do útero é igualmente provocado por um vírus, o VPH (vírus do papiloma humano), o segundo tipo de cancro que mais afecta as mulheres.


Morreu Diniz Machado

Dinis Machado, escritor, jornalista desportivo, crítico de cinema e ainda autor de banda desenhada, faleceu, sexta-feira, em Lisboa, aos 78 anos. O seu maior êxito foi o romance «O Que Diz Molero», editado em 1977 e reeditado em 2007, no dia do seu 77.º aniversário, e já adaptado ao teatro. Sob o pseudónimo Dennis McShade, Dinis Machado escreveu ainda alguns policiais.


Novo livro de Sérgio Ribeiro

«50 anos de economia e militância», assim se chama o mais recente livro de Sérgio Ribeiro, com a chancela das «Edições Avante!». A apresentação pública da obra decorreu na passada segunda-feira, no Centro de Trabalho Vitória, em Lisboa, numa sessão que contou com a presença de Manuel Freire e onde o autor esteve rodeado de numerosos camaradas e amigos.


Resumo da Semana