Breves
Cinema na Voz do Operário
O cinema regressou à Voz do Operário com um ciclo intitulado «As Dores do Crescimento – Escola, Família e Sociedade».
Um total de oito filmes, exibidos ao sábado, em sessão dupla, às 16h30 e às 18h30, no Auditório João Hogan. No sábado, dia 11, duas propostas: um filme italiano, de Vittorio de Sica, e um português, de Solveig Nordlund, com o primeiro a dar destaque à estadia num reformatório de dois jovens de famílias desfavorecidas que se envolvem num jogo de vigarices e o segundo a revelar a miséria escondida na Ilha da Madeira, a pedofilia e a mendicidade dos miúdos da rua.
Para o dia 18 de Outubro estão programadas mais duas películas. Stephen Frears traz-nos a visão de uma criança irlandesa de sete anos, filha de operários católicos emigrados em Liverpool, na depressão dos anos 30, que experimenta a miséria do desemprego familiar. Sidney Lumet, por sua vez, aborda a passagem à adolescência de um jovem num cenário de errância dos pais, forçados à clandestinidade.
Para o último dia do ciclo mais duas propostas, de Nicholas Philibert e de Francis Ford Coppola. A primeira sobre a educação numa escola do meio rural. A segunda retoma o tema da marginalidade juvenil.

Discutir o futuro
A Organização Regional de Leiria da JCP marcou, para dia 24 de Janeiro de 2009, o seu VI Encontro Regional. Ali, os jovens comunistas vão fazer o balanço da actividade desenvolvida desde o último encontro, realizado em Junho de 2007. Para além da análise da situação política e dos ataques aos direitos da juventude protagonizados pelo Governo PS, a JCP vai discutir as linhas de trabalho para o futuro e a eleição da Comissão Regional de Leiria, órgão máximo no distrito entre Encontros.

Adiamento positivo
A Confederação Portuguesa das Micro, Pequenas e Médias Empresas congratulou-se, em nota de imprensa, pelo adiamento da decisão da Assembleia da República para novos estudos, do Projecto de Lei 489/X, que prevê a transferência «para os municípios na definição dos horários de abertura dos estabelecimentos de venda ao público e de prestação de serviços». Manifestando-se contrária ao teor do documento, proposto pelo PSD, a CPPME teme que este «vai desequilibrar o tecido económico português».

CDU insiste!
Ilda Figueiredo, vereadora da CDU, enviou uma carta ao presidente da Câmara de Gaia solicitando o agendamento de diversas questões e propostas, nomeadamente sobre os «critérios de avaliação do desempenho dos agentes da Polícia Municipal», a «proposta relativa ao aumento da comparticipação da autarquia para materiais pedagógicos das salas de aula de jardins de infância e EB1» e a «construção da nova EB1 no Pisão/Pedroso».

Ferida ambiental
A CDU do Porto criticou, na passada semana, a autarquia pelo «atentado ambiental» no Freixo, constituído por uma a sucata a céu aberto. Para os eleitos do PCP, o terreno onde estão amontoados os carros abandonados e recolhidos na via pública constitui uma verdadeira «ferida ambiental, com a contaminação dos solos adjacentes ao Rio Douro por viaturas que derramam óleos, combustíveis e ácidos».

Moção de censura
A CDU de Gondomar apresentou, na passada semana, uma moção de censura ao presidente e ao vice-presidente da Câmara Municipal por serem «de novo» suspeitos de ilegalidades e actos de abuso de poder cometidos no exercício das respectivas funções autárquicas. Em conferência de imprensa, os eleitos do PCP defenderam que os autarcas devem afastar-se da gestão do municípios, suspendendo, pelo menos, o respectivo mandato até ao termo dos processos judiciais em que estão envolvidos.

Errata
Ao contrário da informação divulgada na edição do dia 10 de Julho deste ano, neste espaço, o BE não votou contra uma moção da CDU de Agualva sobre o novo mapa judiciário, antes absteve-se, assim como nos outros documentos apresentados pelos comunistas na Assembleia de Freguesia.

Casas municipais
Relativamente aos abusos na atribuição de casas municipais, em nota dirigida à comunicação social, os comunistas de Lisboa lembraram que a sua «utilização deve obedecer a políticas que sirvam o interesse público, com critérios claros, objectivos e transparentes e uma definição correcta de objectivos que devem ser definidos com toda a brevidade».
No documento, os eleitos do PCP deram ainda conta de um «sistema de abuso» do património municipal que se verifica há mais de 30 anos. «Há que lamentar tal situação e constatar que, ao longo de todas estas vereações, o pelouro esteve sempre atribuído a eleitos do CDS-PP, do PS e do PSD», lembraram.

Grandes problemas
Por proposta da CDU, a Assembleia de Freguesia de Frechas, Mirandela, exigiu a execução de obras há muito prometidas pela autarquia. Entre as principais reivindicações consta a construção de abrigos para as paragens de autocarro e lombas nas estradas do Cachão.
«Isto é simplesmente um escândalo se avaliarmos o preço que custará a construção de um abrigo. Esta situação é inaceitável e uma vergonha para o poder político local», acusam os eleitos, que prometem «não desistir de lutar» por melhores condições de vida «para os seus fregueses». No documento, alerta-se ainda para o facto de haver esgotos a correr a céu aberto, «o que pode significar um problema de saúde pública».

Gestão ruinosa
Em nota de imprensa, os comunistas da Amadora alertaram para o facto de a Assembleia-Geral da Associação Académica da Amadora (AAA) estar a preparar-se para discutir a venda de património e a insolvência da AAA.
«Tudo isto devido à gestão ruinosa das últimas direcções, todas com uma característica: são sempre presididas e orientadas por gente do PS ligada à autarquia», acusam, lembrando, por exemplo, que a Direcção, presidida por José Evangelista, «demitiu-se, deixando em dívida verbas superiores a um milhão de euros». Antes, tinha sido vereador do PS na Câmara da Amadora. Hoje é deputado do PS na Assembleia Municipal e membro do Conselho de Administração dos SMAS-Oeiras/Amadora, nomeado pela autarquia.
Mas os problemas não se ficam por aqui. A autarquia retirou da prática desportiva da AAA cerca de 700 alunos, com quem tinham um protocolo. «Com estes actos, que lesam a associação, vão-se acumulando as dívidas aos trabalhadores, à segurança social, às finanças e até ao BES por causa de uma letra de 250 mil euros», alertam os comunistas, sublinhando que «a situação é cada vez mais grave».

Requalificação do bairro
A Câmara de Setúbal exige do Governo uma medida de excepção que permita a requalificação do Bairro da Bela Vista, orçado em 15,4 milhões de euros, no âmbito do PROHABITA (Programa de Financiamento para Acesso à Habitação).
Em declarações à Lusa, o vereador da Habitação, Eusébio Candeias, explicou que o IHRU (Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana), só garante o financiamento da candidatura apresentada pela autarquia para os fogos camarários, o que significa que os proprietários de 390 dos 914 fogos do bairro da Bela Vista teriam de assumir a sua parte nas despesas de requalificação urbana.
«Nós entendemos que o Governo devia criar uma medida de excepção para o PROHABITA que permitisse a requalificação no Bairro da Bela Vista, tal como já se fez nos bairros 2 de Abril e 25 de Abril, no âmbito do programa PROQUAL (Programa Integrado de Qualificação das Áreas Suburbanas da Área Metropolitana de Lisboa)», defendeu o autarca comunista.

Trabalho autárquico
A CDU de Alcobaça votou, no passado dia 30 de Setembro, contra o Regulamento da Estrutura Orgânica e Quadro da Câmara Municipal. Entre as principais razões, os eleitos do PCP recordam que «a generalidade dos trabalhadores, incluindo as chefias de divisão, não foram auscultados». Nesta Assembleia Municipal, pela voz de João Paulo Raimundo, a CDU defendeu ainda a regionalização «a sério». «Defendemos, então, uma nova região que tivesse por base muitos concelhos do distrito de Leiria e Santarém», disse.