A destruição do aparelho produtivo explica a fragilidade da economia
PCP exige medidas
Crise é inerente ao sistema
O PCP quer que o Governo tome medidas para estancar os efeitos da crise internacional na economia portuguesa.
Jerónimo de Sousa defendeu, na semana passada, em conferência de imprensa na Assembleia da República, a adopção pelo Governo de medidas que façam face à crise internacional do capitalismo. Para o PCP, há que «intervir junto do sistema bancário para diminuir as taxas de juro, tomar medidas para valorizar, defender e promover a produção nacional, aliviar a tesouraria das empresas acelerando os pagamentos em dívida e de todos os fundos comunitários».
O aumento dos salários, com a reposição do poder de compra dos trabalhadores, o reforço das prestações sociais, designadamente às famílias mais carenciadas, e a melhoria da distribuição do Rendimento Nacional, são outras propostas dos comunistas.
No plano da União Europeia, prosseguiu o dirigente do PCP, o Governo deverá «intervir junto do Banco Central Europeu para a descida das taxas de juro» e para a suspensão do Pacto de Estabilidade. Combater as deslocalizações de empresas, reforçar os fundos estruturais e outras medidas orçamentais que «relancem as actividades económicas e o investimento» e o aumento dos salários, por forma a melhorar o poder de compra e a alargar o mercado interno, contam-se também entre as medidas avançadas. O Governo deveria ainda «tomar a iniciativa junto da UE para acabar com os offshores», realçou o secretário-geral comunista.
Lembrando que o PCP está a favor da revisão do Sistema Monetário e Financeiro internacional e do combate aos privilégios do dólar, Jerónimo de Sousa afirmou que «tal não pode ser feito com a valorização artificial do euro». Ou seja, à custa das economias mais débeis da União Europeia, como a portuguesa.
Apesar dos planos Bush/Paulson, das intervenções em vários bancos europeus e das injecções dos bancos centrais, afirmou o dirigente comunista, «a crise vai ainda perdurar». Estas medidas visam fundamentalmente, acusou, «passar os custos da crise para as populações em geral». Uma ainda maior concentração da riqueza e concentração do capital será a principal consequência.

Mistificações

Para além de exigir que o Governo tome medidas, Jerónimo de Sousa quer também que o executivo se «deixe de mistificações». Porque «é uma mistificação afirmar-se que a crise se deve à ganância de alguns». Como se a busca do máximo lucro não fosse inerente ao sistema capitalista.
É também uma mistificação, continuou, «explicar a crise apenas pelo rebentamento da bolha do sub-prime». A «crescente financeirização da economia mundial em detrimento da produção real», a prática especulativa dos «grandes senhores do dinheiro», a «crescente desvalorização dos salários» e a sua «substituição pelo incentivo e facilitação do endividamento», são aspectos incontornáveis da grave situação a que se chegou, defendeu Jerónimo de Sousa.
Considerando uma «desculpa esfarrapada» afirmar-se que o Governo foi «surpreendido» pela situação, o dirigente comunista alertou para outra «mistificação»: a de querer fazer crer que «pode haver transparência e regulação no actual quadro de economia de mercado, com a livre circulação de capitais e os offshores».
Outra mistificação é afirmar que o País tem resistido à crise. A estagnação, o aumento das taxas de juro e a quebra do poder de compra dos trabalhadores e camadas médias desmentem estas teses.
Considerando que esta crise pôs em evidência a «falsidade dos dogmas do neoliberalismo», Jerónimo de Sousa salientou ainda que também revela a natureza do capitalismo e as suas profundas contradições – «um sistema que não resolve os problemas da humanidade, antes os agrava, fomentador das desigualdades, das injustiças, da pobreza, da miséria de milhões de seres humanos.»


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: