Mudar de rumo é necessário e é possível
Um marco excepcional na luta dos trabalhadores
Mais de 200 mil por novo rumo
O gigantesco protesto de 13 de Março trouxe à Avenida da Liberdade mais de 200 mil pessoas, vindas de todos os distritos, respondendo ao apelo da CGTP-IN: «Mudar de rumo, Mais emprego, salários e direitos».
«Pelo empenho, generosidade e coragem» dos trabalhadores, «por corresponder a uma atitude solidária, a uma vontade e necessidade de mudar o rumo das políticas que vêm sendo executadas», e «como aviso às práticas patronais oportunistas e atentatórias do direito ao trabalho», esta manifestação «constitui um marco de excepcional importância nas lutas laborais e na acção geral da CGTP-IN, pelo desenvolvimento do País» - afirma a Comissão Executiva da central, numa saudação divulgada segunda-feira e dirigida a «todos os trabalhadores e trabalhadoras que, com grandes sacrifícios, nomeadamente financeiros, se manifestaram, e todos os que, não podendo participar, se identificam com os objectivos de mudar o rumo político, que tem de assentar na criação de mais emprego, de combate à precariedade, de melhores salários e respeito pelos direitos no trabalho».
É também saudado e enaltecido «o esforço abnegado dos activistas sindicais, que aumentaram em muito a presença e o esclarecimento nos locais de trabalho, realizando milhares de plenários, com uma elevada participação de trabalhadores», nas semanas que antecederam a manifestação nacional.

Muitos mil argumentos

Partindo do cimo da Rua Joaquim António Aguiar ou das Picoas, desfilaram durante três horas, até à Praça dos Restauradores, muitos milhares de trabalhadoras e trabalhadores no activo, aposentados e desempregados, da Administração Pública e de empresas privadas, da metalurgia, do comércio, das indústrias químicas e eléctricas, da hotelaria, da educação, da saúde, das autarquias locais, dos têxteis, da construção, da cortiça, do cimento, do vidro, da banca e seguros, dos transportes, das pescas, das conservas... Trouxeram as suas razões próprias e uma exigência comum: romper com a actual política, para dar solução aos problemas do País e dos portugueses.
As mensagens e os argumentos dos manifestantes foram expressas nas faixas e bandeiras que transportaram, nas palavras de ordem que gritaram, no discurso do secretário-geral da CGTP-IN, na resolução aclamada no final do comício sindical.
Se altifalantes, megafones e vozes soltas clamavam «assim não pode ser, os ricos mais ricos e os pobres a perder» ou «injustiças sociais, arre, porra, que é de mais», a palavra escrita e lida denunciava que «os trabalhadores e a esmagadora maioria da população portuguesa empobrecem, têm maiores dificuldades financeiras, piores condições de vida» e que «o Governo do PS refugia-se na actual crise financeira e na sua dimensão internacional e tenta desresponsabilizar as políticas de direita, desenvolvidas até agora pelos sucessivos governos».
Manuel Carvalho da Silva e a resolução, fazendo um balanço da governação de José Sócrates, concluíam que o emprego prometido traduziu-se em mais desemprego e precariedade, as famílias perderam poder de compra, estão mais endividadas, vulneráveis a situações duradouras de pobreza, em contraposição com o brutal enriquecimento pessoal de alguns, feito à custa da especulação financeira, da exploração dos trabalhadores, da corrupção e da fraude fiscal. Na manifestação, traduzindo justa revolta, muitas vezes se ouviu «Mentiroso!» ou «Mentirosos!» e «Sócrates, escuta, o povo está em luta».
Os manifestantes repetiam «É preciso, é urgente, uma política diferente». Do palco, nos Restauradores, ouvia-se que «ontem em nome do défice, hoje em nome da crise, a lógica do grande capital e da política de direita, seguida por sucessivos governos, é a mesma: pôr os trabalhadores a pagar e o grande patronato a lucrar» e que «a solução para os problemas do País e dos portugueses passa por romper com esta política».
Ferido e sem razão, Sócrates mostrou-se ofendido e atacou os que lutam de forma organizada e consequente. «Pode o sr. primeiro-ministro apresentar-se como vítima, mas isso não esconde a realidade da vida dos portugueses e do País, que os manifestantes, de forma exemplar, colocaram em evidência nas avenidas de Lisboa», respondeu segunda-feira a CGTP-IN.

A luta vai crescer

As reivindicações e propostas do movimento sindical unitário foram sintetizadas em dez pontos, salientando a resolução que «a intervenção e a luta dos trabalhadores serão determinantes para assegurar o direito à contratação colectiva e contra a caducidade; a defesa dos direitos consagrados nas convenções colectivas de trabalho, enquanto fonte de progresso social; a exigência de respostas efectivas nos planos laboral, social, económico e político».
Com a confiança em que «mudar de rumo é necessário e é possível», a manifestação de dia 13 apontou uma intensa agenda, propondo aos trabalhadores «agir no terreno para resolver os problemas».
No dia-a-dia, vai prosseguir e intensificar-se a acção e luta nos locais de trabalho dos sectores público e privado, pelo direito à contratação colectiva, a defesa dos direitos consagrados nas convenções colectivas de trabalho, pelo emprego com direitos, contra o desemprego e a precariedade, pelo aumento real dos salários.
Os jovens são exortados a agirem por« mais estabilidade, mais salários, mais emprego com direitos» e a participarem na manifestação de 28 de Março (Dia Nacional da Juventude), organizada pela Interjovem/CGTP-IN, em Lisboa,
De 2 a 8 de Abril, no âmbito do «dia internacional de luta», promovido pela Federação Sindical Mundial, vão realizar-se tribunas públicas no Porto, em Coimbra, Évora, Faro e Lisboa.
Ficou assumida uma participação activa nas comemorações dos 35 anos da revolução de Abril.
Uma grande jornada de luta deverá ter lugar no 1.º de Maio.


 Versão para imprimir            Enviar este texto            Topo

Outros Títulos: