Soeiro Pereira Gomes nasceu há cem anos
Militante da luta e da escrita
Assinalou-se anteontem o centenário do nascimento de Soeiro Pereira Gomes, militante e dirigente comunista e talentoso escritor, pioneiro do neo-realismo em Portugal, duas facetas inseparáveis da sua personalidade. A sua vida e a sua obra foram demasiado curtas, interrompidas pela morte prematura, aos 40 anos, provocada pela doença e pela falta de assistência médica, devido à sua condição de funcionário clandestino do Partido. O seu percurso de vida e a obra que deixou escrita testemunham um firme compromisso com os explorados e oprimidos e com a sua luta e ajudam-nos, ainda hoje, a enfrentar a dureza dos combates que diariamente travamos pela democracia e pelo socialismo.

Romances, contos e crónicas

Um notável dirigente político
O exemplo da «Praça de Jorna»
Para além dos notáveis romances e contos que escreveu, Soeiro Pereira Gomes produziu também textos políticos, em forma de cartas, folhetos ou artigos.

Álvaro Cunhal sobre Soeiro Pereira Gomes
Comunista dedicado e artista talentoso
No dia 7 de Dezembro de 1999, realizou-se em Alhandra uma sessão evocativa de Soeiro Pereira Gomes. Assinalava-se então os 50 anos da sua morte. Na ocasião, vários militantes comunistas daquela localidade contaram episódios passados envolvendo Soeiro Pereira Gomes, entre os quais se encontrava Álvaro Cunhal. Esta foi, aliás, uma das últimas iniciativas partidárias em que participou. Publicamos em seguida a intervenção proferida pelo histórico dirigente comunista:

PCP não esquece os seus heróis
Valorizar um percurso exemplar
O PCP está a assinalar o centenário do nascimento de Soeiro Pereira com um conjunto de iniciativas que têm como objectivo dar a conhecer e valorizar o seu percurso de militante e dirigente comunista e a sua obra literária ímpar.